Read In Your Own Language

sábado, 22 de outubro de 2011

Ai Se Sêsse - por Zé da Luz

Já publiquei AQUI e AQUI poesias de Zé da Luz, uma paraibano cabra da peste, cordelista e contista. Recebi essa por e-mail da @marciagrega e publico prá manter o registro desse fantástico artista.



Se um dia nois se gostasse
Se um dia nois se queresse
Se nois dois se empareasse
Se juntim nois dois vivesse
Se juntim nois dois morasse
Se juntim nois dois drumisse
Se juntim nois dois morresse
Se pro céu nois assubisse
Mas porém acontecesse

de São Pedro não abrisse
a porta do céu e fosse

te dizer qualquer tulice
E se eu me arriminasse
E tu cum eu insistisse

pra que eu me arresolvesse
E a minha faca puxasse
E o bucho do céu furasse
Tarvês que nois dois ficasse
Tarvês que nois dois caisse
E o céu furado arriasse e as virgi toda fugisse

Arma Anti-Tanque

Guerra no deserto tem disso. Tanque é importantíssimo nos avanços. Prá defesa? Armas anti-tanques...Morteiros, mísseis, projéteis pesados e os mortais mísseis de fósforo branco. O que você verá a seguir é um blindado sírio sendo atingido por este pequeno, porém poderoso, míssil israelense com lançador portátil, guiado a laser, capaz de penetrar uma blindagem de 45 mm em aço de alta resistência. É operado apenas por dois soldados e a sua utilização deve ser autorizada obrigatoriamente por um oficial superior com um mínimo de 10 anos de serviço militar e experiência em guerra no deserto. O blindado foi intervir num dos assentamentos de Israel. Outros quatro blindados, que também seguiam para a mesma intervenção, estavam a cerca de um quilômetro deste. Quando viram o que ocorreu com o primeiro, recuaram antes de chegar à área pretendida. É possível ver na imagem a trajetória do míssil e o exato momento em que ele encontra o alvo! Para os soldados sírios que conduziam o tanque, foi praticamente uma cremação em questão de segundos. Assim: curto e grosso.


video

Pequena Aula de Português Para Alemão



Em homenagem aos meus amigos e amigas de origem alemã, alguns verbetes úteis daquele dificílimo idioma para nossos amigos prussianos. ABRENDA VALAR, ALEMON


APELHA - (s.f.) - Inseto foador que faprica o mel. Fife em golméias. Muito berrigossas, bois quando bicam tóe pastante. Alguns xente bõem querozene ou mixam em tzima, bara alifiar a veroada. O mel é muito abreciado bara vazer remédios, em toces ou brá golocar no gachassa.
BALHA - (s.f.) - Casca te milho, muito utilizada em cicaros ou bara limpar o punda.
BALHERO - (s.m.) - Cicaro feido com balha te milho. Os mais felhos costumam cuardar o balhero em cima ta orelha, que fica com um coloraçon amarelada e fetorenta que non sai mais. Pode tomar quantos panhos quisser, que non sai.
BIBOGA - (s.f.) - Comida que fem to milho, é vrito em panha e sal.
BEIDO - (s.m.) - 1) Emisson non controlata te gases. Resultado ta ingeston te quantidades generosas te piar, rebolho e rapanete em conserva ou linqüiça. 2) Ato foluntário, cheralmente por puro prazer ou bara diverzon em lucares púplicos, como pailes com pandinha e pares. N.E. - No Alemanha não egziste o palavra BEIDO. Alemoada ussa expresson "Cás de punda".
CARETA - (s.f.) - Expresson to cara que transforma o rosto ta pessoa. Cheralmente quem xá é feio fica ainda mais feio. 2) Certo caro puxado por xuntas de pois ou cafalos.
CATOFLA - (s.f.) - Patata. Geralmente preparada assada, cozida ou vrita.
DXÁ - (ad.) - Logo, agora, neste momento.
CICARO - (s.m.) - Tubo te papel ou balha, recheado te fumo picado, que se acende num ponta e chupa no otra.
CRITA - (v.) - Ato de critar, perar, aumentar o volume ta voz, cheralmente quanto vala com surdo ou quando se pede algo bara peper ao garçon.
DOALHA - (s.f.) - Coisa te pano. Tem fários tipos: bara colocar no mesa, bara se secar depos to panho, bara secar bartes íntimas, tepois te vazer fuck-fuck.

FUSSPAL - (s.m.) - Esborte muito abreciado, em que se usa uma pola te couro, tois times com onze te cada lado, tuas coleiras e alguns curis bara puscar as polas, quando são chutadas bara longe. Quem conseguir colocar mais polas dentro ta coleira do outro, é o canhador.
JUDERAS -(s.f.) - Zapato te couro, utilizado bara a brática to fusspal.
GACHASA - (s.f.) - Aguardende. Depois to piar, é a pepida mais consumida por alemoada. Cheralmente servida bura ou misturada com limon.
LOMPINHO - (s.m.) - Carne te porco muito abreciada. É servida assada ou vrita.
PAGAXI - (s.m.) - Fruta esbinhenta, muito abreciada bura ou com otrasfrutas, tais como bera, maçan, mamon, melon e ufa. Os mais gachaceiros fazem um oco no pagaxi e tentro bõem o Gachasa. Depois, sugan com pomba te chimaron ou canutinho.
PANDA - (s.f.) - É um crupo te amigos, que se xunta bara fazer música. Norrmalmente, tem tê bor nome na pandinha.
PAR - (s.m.) - O mesmo que botega, policho, armacem que serve pepidas e tira-gosto, como toresmo, quecho, mortadela, ofo cozido, etc.
PARACO - (s.m.) - Habitaçon pobre, humilde, sem água, sem luxa, sem borra nenhuma.
PARALHO - (s.m.) - Xogo de cartas. Muito abreciado nos pares e casas te família.
PARANCO - (s.m.) - Encosta no beirra to estrada. Serve parra achar ninho do xon-pôbo ou facer cocô.
PIAR - (s.f.) - No Brrasil também conhecida por lourra ou xelada. É um pepida veita a bartir do cevata, muito abreciada em pares e vestas.
PIÇAR - (v.) - Caminhar no grama, caminhar no calçada; Ex.: Non piça no minha crama, vagapundo! 2) ( g.) - Piçar no domate, icual a facer cagada.
PIZICLETA - (s.f.) - Meio te transporte te dois rodas, com traçon humana. Tem bedais e coreia.
POI - (s.m.) - Touro castrado, sem saca. Sem saca, non trépa. Non trepando, engorda. Gorrdo, é matado tom mareta.
POLZA - (s.f.) - Pjeto que serve bara caregar vários coisa. Tem vários dipos: polza te mulher, polza bara lixo, polza te subermercado e polza te açons financerras (que non sei o que é).
REBUCHO - (s.m.) - Eveito ta maré, depos te bater no praia, os ondas voltam bara o mar.
TIARÉIA - (s.f.) - Distúrbia dos tripas. Muito comum para quem come panana com gachasa e toresmo com chimaron, ou bebe piar xelada com linqüiça guende. É tão ruim o tiaréia, que deixa o xente suato e amarelo. O xente diz pros mais íntimos: tô mixando pelo punda, rapaiz!
XAROBE - (s.m.) - Remédio cheralmente feito te ervas ou com mel e agrion. Muito inticado nos resvriados fortes, com muita tosse. 2) Intíviduo chato, que gosta te imbortunar, ou algo que não se goste. Ex.: A rádio ta Frida só toca música xarobe!
XOTA - (s.m.) - Técima letra to alfabeto.
XUNTO - (adj.) - Acompanhado te algo ou alguém. Facer alguma coisa com alguém. 2) - (v.) - Ato te xuntar alguma coisa. Ex.: O Fritz xuntô a carta do paralho da chon.
ZIM - (ex.) - O que diz pessoa que concorrda, aceida, deixa. Pessoa que sempre diz zim é conhecida bor concordino.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Cordelando 31 - Orlandão: Jogo de Um Tempo Só






De há muito se falava,
Do ministro Orlandão.
Dizendo que nos esporte,
Só dava corrupção.
Inventando umas lombras,
Prá gastar dinheiro em jogo.
Todo mundo já sabia,
Que tudinho era logro.


Um tal de Segundo Tempo,
Um programa bom danado.
Ajudar a criançada,
A no jogo ser virado.
Recebendo rede e bola,
Short, sunga e até raquete.
Prás meninas que quisesse,
Deixar de ser periguete.


Convém começar lembrando,
Que o amigo comunista.
Foi o mesmo que um dia,
Se meteu a ser artista.
Pagando uma tapioca,
Que custou um dinheirão.
Sem meter a mão no bolso,
Pagou com nosso cartão.


Mas voltando pro assunto,
Principal desse cordel.
Dessa vez o Seu Orlando,
Agarrou-se no pincel.
Pegaram ele com a mão,
Numa caixa da Adidas.
Cheia de dinheiro vivo.
A propina escondida.


Portador era PM,
Lutador de karatê.
Tinha dois local de luta,
Coisa mesmo de fu***.
Casa boa e ajeitada,
Com piscina e até gramado.
Muito carro na garagem,
Todo ele importado.


Pegava uma babita,
Da conta do seu ministro.
O que fazia com ela,
Não se fala era sinistro.
Mas entregou boa parte,
Na mão do PCdoB.
Prá tudo quanto é de lado,
Sem nem vergonha sofrer.


No meio da excursão,
Gibão e chapéu de palha
Abafando sem parar,
Ganhando muita medalha.
Preparando aquele show,
Prá fazer bem mais bonito,
Dona deelma lhe chamou.
Caprichando bem no grito.


A revista fofoqueira,
Como costumam chamar.
Publicou a reportagem,
Como sempre prá lascar.
Mostrou texto e retratinho,
Chamou tudo de ladrão.
E sem medo de processo,
Acusaram o negão.


O caboco indignado,
Fincou pé engrossou voz.
Invocou toda família,
Não escapou nem os avós
Desqualificou o cara,
Chamou até de bandido.
Prá mulher não bater nele,
Disse que não tem perigo.


Claro que deu confusão,
No palácio do planalto.
Voou celular e iPad,
Com a mulher gritando alto.
Antes dela avuar,
Pro lado do oriente.
Prá na África assinar,
Papel no nome da gente.

Por aqui ele ficou,
Foi na câmara e senado.
Fingindo que tava puto,
E também indignado.
Claro que tava cercado,
Dum monte de camarada.
Que não deixaram ninguém,
Lhe perguntar em quase nada.


Uma coisa me causou,
Uma grande confusão.
Diziam que comunista,
Em Deus num acredita não.
Pois não é que o ministro,
Durante seu aperreio
Esqueceu-se que era ateu,
E lá tacou Deus no meio.


Quase ia me esquecendo,
Do investimento de Orlando
Ajuntou a vida inteira,
Salário que ia ganhando.
Lá prá bandas de Campinas,
Mesmo com tubo enterrado,
Comprou um monte de mato,
Com o preço aliviado.




Tentando se aliviar,

Da pressão que já sofria.

Chegou até invocar,

Um ministro que havia.

E que agora governa,

O Distrito Federal,

Agnelo o nome dele,

Um safado sem igual.

Mesmo que caia ou que fique,

Orlandão já se ferrou.

Pois na Copa do Brasil,

Da cadeira escorregou.

Dona deelma já lhe disse,

Que lá não manda mais não.

Que com a FIFA e CBF,

Ela é quem bate o bastão.



Muita obra inacabada,
Compra feita e não entregue.
E os meninos jogam bola,
Entre galinhas e jegues.
Empreiteiro bem contente,
Coisa igual nunca se viu.
Escondendo no esporte,
Mais mentira do Brasil.

E a Ponte Não Tem Ciclovia...

A ponte sobre o Rio Negro, um sonho desde os tempos de meu homônimo, o grande cacique Ajuricaba, está um vias de sair do papel. Depois de quase 5 anos de obras, muitos óbices e contradições sobre sua real necessidade e quase R$ 1,3 bilhões de dinheiro gasto, e por muitas razões suspeitos de terem sido mal gastos; será inaugurada dia 24 próximo, o aniversário da cidade, com a presença da governANTA, que prometeu um "presente especial" . A ver...

Só prá deixar um escândalo no ar, pois muitos ainda vão aparecer, a bendita ponte NÃO TEM CICLOVIA.

Bicicleta...Um meio de transporte e lazer tremendamente utilizado em todo canto e a ponte não tem ciclovia? Hoje ouvi uma entrevista da diretora do DETRAN dizendo que seria proibido o tráfego das "magrelas" nas faixas de trânsito e na via de pedestres.

Penso como se sentem os grupos de ciclistas locais que já estava planejando seus passeios dominicais até o outro lado do rio...

Como a grita vai ser grande a partir de agora, podem esperar que algum aditivo milionário será feito ao contrato para implantar a facilidade.

#CiFuDê

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Bolsa Floresta é Golpe Publicitário, Por Arthur Virgílio

O programa Bolsa Floresta, lançado no governo Eduardo Braga, é mero golpe publicitário. Atinge apenas cerca de seis mil famílias, que recebem quantia mensal irrisória, supostamente para não devastarem a mata.
Mais dinheiro que o investido no Programa foi aquele destinado à propaganda nos grandes órgãos de comunicação do País. Repito: mero golpe publicitário.
É falsa a ideia de que o Bolsa Floresta teria algo a ver com os baixos índices de desmatamento no território amazonense. Estes se devem ao Polo Industrial da Zona Franca de Manaus que, em seus efeitos indiretos financia o interior do estado, e a mais nada.
Os grandes inimigos da floresta detêm forte capital. Não é o caso do pescador, do agricultor ou daquele que caça para sobreviver com sua família.
Inverdades que bombardeiem a cabeça das pessoas insistentemente terminam sendo aceitas como se inverdades não fossem. Os regimes totalitários costumam fazer isso. E mesmo a democracia abre espaço para campanhas massivas, semeadoras de falácias. É do jogo, infelizmente.
Uma coisa é inegável: se a floresta amazônica, na parte que toca ao Amazonas, dependesse das seis mil bolsas, idealizadas por Braga, para se manter de pé, de pé ela não mais estaria. Outro dado negativo é que desvia a atenção do papel que a Zona Franca cumpre em defesa do verde. E, com isso, de certa forma, enfraquece a luta em defesa do nosso Polo Industrial.

Arsenal em Comunidade Indígena

Escrevi AQUI que a região chamada de Cabeça do Cachorro, no extremo oeste do Amazonas (veja mapa ai em baixo), é onde o filho chora e a mãe não escuta. Tríplice fronteira com Colômbia e Peru, entrecortada de rios e igarapés; é um desafio à parca e incipiente, embora valente e abnegada, fiscalização e presença das forças de segurança, sejam as Forças Armadas seja a Polícia Federal.

Prova disso foi a apreensão pela Polícia Federal ontem de uma enorme (e seletiva) quantidade de armas e munição militares, algumas pertencentes ao Exército peruano, como fuzis e lançador de granadas em uma aldeia de índios ticuna em Tabatinga/AM (no mapa, observar a cidade "vizinha" de Benjamin Constant), enterrada numa aldeia aculturada da região.
Como meus primos são inimputáveis, foram presos dois colombianos sob acusação de crime de tráfico internacional de arma de fogo de uso proibido ou restrito, que afirmaram ser os donos do armamento e antigos comparsas de Jair Ardela Michue, o Javier, detido em março após uma outra operação para deter os culpados pelo assassinato de 2 agentes da PF no ano passado. A PF irá ainda apurar junto com a FUNAI até onde vai o envolvimento de índios no caso.

Cabe destacar que os ticunas criaram o que eles chamam de Polícia Indígena, com o suposto objetivo de combater o uso e tráfico de drogas e álcool pelos membros da tribo, assim como manter a ordem no ambiente interno da tribo. Nunca usaram armas, porque sábia e evidentemente nunca lhes foi dada autorização para tal.

Como existem casos de assassinatos e abusos contra madeireiros e garimpeiros ilegais na região, supostamente cometidos por grupos de índios brasileiros na região de fronteira, supõe-se que sejam equipados e treinados deles por membros das FARC's.
As armas apreendidas ontem (foto acima) estavam em bom estado de conservação. Foram encontrados um lançador de granada, dois fuzis 762 de fabricação belga (um deles tinha o brasão do Exército peruano) com 18 carregadores, uma submetralhadora ponto 40, uma pistola 9 mm e 11 granadas de mão.

Conheço a região e reafirmo que a bocada por lá é quente. Militares e Policiais quando vão prá têm o tempo de trabalho contado em dobro. Os contingentes são pequenos, mal armados, sem infraestruturae o resto vocês podem imaginar. Cadê, por exemplo, o tal VANT, o disco voador da campanha de dona deelma? Aqui cabem pelo menos 2 operando, bem como helicópteros modernos e lanchas blindadas e melhor armamento para os agentes de segurança. #Oremos

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Bahia: Terra de Grande Enxadristas

Povo prá gostar de xadrez é esse brasileiro, em especial o baiano. O esporte mais famoso e praticado desde que Pedroca Cabral, que não era parente de Wally, arribou por lá em 1500.
O Globo publicou que o glorioso Orlandão liberou quase R$ 10 milhetas para uma fábrica de jogos de xadrez e dama, no grande centro mundial de enxadristas de Conceição do Jacuípe, na Bahia, populoso município de 29 mil admiradores dos jogos. Não por acaso, o PC do B vai lançar candidato em 2012 na cidade.
São 142 empregados que produzirão um total de 180 mil jogos entre julho deste ano e maio de 2012 e receberão salários da ordem de R$ 600,00. Os 8 gerentes receberão R$ 1.500,00. A matéria acrescenta que serão 90 mil jogos de xadrez e outros 90 mil jogos de dama.

Só prá comparar, os repasses conseguidos pela prefeitura do município, um para habitação popular e outro para pavimentação e drenagem de ruas, não chegam nem perto do valor dos jogos e somam apenas R$ 1,289 milhão.
A escolha da Associação Cultural Jacuipense, berço cultural dos expoentes admiradores de Bobby Fischer, Anatoly Karpov, Garry Kasparov e outros para administrar a fábrica foi calcada na extraordinária experiência de 3o anos de seu fundador, Alírio Dantas de Azevedo Filho, um professor de línguas que, como visionário que é, apresentou o projeto, que foi encampado pelo governo, assim, simples igual Deus fez o macaco.
É claro que Alírio nega ter interesse de se candidatar a prefeito no ano que vem e que sua proximidade com o PCdoB é uma absoluta obra do acaso.
Não conta nada também o fato do camarada Alírio ter pedido votos na última eleição para o ex-deputado estadual Javier Alfaya (PCdoB), que não se reelegeu.
Sem querer futricar muito, mas a matéria destaca que a entidade já esteve na lista das que não conseguiram cumprir a meta do programa Segundo Tempo, e daí desistiu desse magnífico programa por falta de interesse. "São muitas exigências e nem sempre podemos cumprir. É trabalhoso", diz o Alírio. Ah, tá....

Mas cadê a grana?

Roseana Quer Estatizar a Fundação Sarney

Eita povinho ixperto danado. Depois de tantas fraudes denunciadas, de tantos financiamentos de estatais, depois de tanta ladroagem, fica evidente que a Fundação Sarney é insustentável sem as burras públicas carregando grana de montão.

Estava futricando no seu Gugol e acabei de ver no Blog do Josias que a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, enviou à Assembléia Legislativa do Estado um projeto de lei que apresenta a proposta indecorosa de estatização da Fundação Sarney. Esse absurdo está no Diário da Assembléia da segunda feira passada. Assustado com a cara de pau, fui catar mais coisas e tem os links no fim dessa postagem
A governadora tem a cara de pau de escrever que com “grata satisfação”, submete à apreciação dos deputados projeto que cria a “Fundação da Memória da República Brasileira", uma entidade de “natureza jurídica pública” e que será inserida na administração do Estado como “sucessora da atual Fundação José Sarney”.
Sem o menor pudor, justifica a providência como boa para o estado dizendo que “Lamentavelmente, a história da Fundação tem sido marcada por constantes crises financeiras…” e acrescenta que sem “fontes públicas de financiamento”, a fundação da múmia vem se sustentando apenas com “assistemáticas contribuições de cidadãos e empresas privadas.”
Ah tá...Já que o sonho irresponsável e megalômano sem as verbas de terceiros não se sustenta, ponha-se na conta do povo maranhense.

Segundo a argumentação da bonitinha, o parágrafo 2o do artigo 216 da Constituição Federal, diz que "Cabem à administração pública, na forma da lei, a gestão da documentação governamental e as providências para franquear sua consulta a quantos dela necessitem.”
Já que o bigodão está se dispondo a transferir para o patrimônio da nova entidade todos os bens de sua propriedade “que se encontram na fundação, tudo fica bem "claro e evidente."
Prá não perder a postura, tia Rose ainda pede que a proposta seja analisada pelos deputados a toque de caixa, em regime de “urgência”, para que o acervo da nova fundação, que terá “como patrono o intelectual e político maranhense José Sarney, ex-governador do Maranhão, membro da Academia Brasileira de Letras e ex-presidente da República, não se perca no tempo, transferindo ao tesouro estadual sua preservação” .
Tem uma beirinha prá dois apaninguados, pois o artigo 5o da proposta que trata da composição do conselho curador da fundação, prevê que este terá 11 membros, dois dos quais indicados “pelo patrono” José Sarney.
Minucioso, o projeto prevê: “Em caso de falecimento” de Sarney as duas vagas de sua cota “serão providas por indicação dos herdeiros e/ou sucessores do patrono.”
Mais uma coisinha: O artigo 9o estabelece que “Os servidores da Fundação da Memória Republicana Brasileira serão regidos pelo Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Estado do Maranhão", sem nenhuma menção a concursos públicos. Fica subentendido que os atuais servidores da Fundação Sarney serão empurrados para dentro da folha salarial do Estado.
Acho que seja mais uma homenagem à democracia igual ao caso do avião de rosca.
No auge da crise do Senado, diante da denúncia de que sua fundação malversara verbas de patrocínio da Petrobras, Sarney acenara com a hipótese de fechá-la.
Só digo uma coisa: são enormes as chances de aprovação do projeto pois a curriola comandada pela famiglia é largamente majoritário na Assembléia.
Veja mais em Jornal Pequeno; Blog Marrapá; Blog Luiz Cardoso; Blog Politica Livre

Atualização às 15:55 - Via Estado de São PauloSÃO LUÍS - Os deputados estaduais do Maranhão aprovaram no início da tarde desta quarta-feira, 19, a estatização da Fundação José Sarney, criada pelo atual presidente do senado e expresidente José Sarney (PMDB-AP). Na sessão, compareceram 38 dos 42 parlamentares e apenas oito votaram contra, todos do bloco de oposição.
Mais cedo, os deputados estaduais maranhenses haviam aprovado por 32 votos a favor e três contra, o relatório da comissão de Constituição e Justiça que declarava a constitucionalidade do projeto de lei do governo, encaminhado no final da semana passada, com pedido de urgência, pela governadora Roseana Sarney (PMDB). Agora está em discussão a redação final do projeto.
A fundação é responsável pela administração do Convento das Mercês. O Projeto de Lei Nº 259/11 estabelece a criação da Fundação da Memória Republicana Brasileira, de "direito público e duração ilimitada", vinculada à Secretaria de Educação, cujo patrono seria o Presidente do Senado, José Sarney. A controversa lei ainda inclui no orçamento do governo do estado as despesas da Fundação.
BRASIL, MOSTRA TUA CARA, QUERO VER QUEM PAGA....

Eliane Calmon: A Loba Que Come Lobos

Artigo de Maria Cristina Fernandes para o Valor Econômico - 30/09/2011

Sabatinada para o Superior Tribunal de Justiça, na condição de primeira mulher a ascender à cúpula da magistratura, a então desembargadora da justiça baiana, Eliana Calmon, foi indagada se teria padrinhos políticos. "Se não tivesse não estaria aqui". Quiseram saber quem eram seus padrinhos. A futura ministra do STJ respondeu na lata: "Edison Lobão, Jader Barbalho e Antonio Carlos Magalhães".
Corria o ano de 1999. Os senadores eram os pilares da aliança que havia reeleito Fernando Henrique Cardoso. A futura ministra contou ao repórter Rodrigo Haidar as reações: "Meu irmão disse que pulou da cadeira e nem teve coragem de assistir ao restante da sabatina. Houve quem dissesse que passei um atestado de imbecilidade".
Estava ali a sina da ministra que, doze anos depois, enfrentaria o corporativismo da magistratura. "Naquele momento, declarei totalmente minha independência. Eles não poderiam me pedir nada porque eu não poderia atuar em nenhum processo nos quais eles estivessem. Então, paguei a dívida e assumi o cargo sem pecado original."
De lá pra cá, Eliana Calmon tem sido de uma franqueza desconcertante sobre os males do Brasil. Muita toga, pouca justiça são.
Num tempo em que muito se fala da judicialização da política, Eliana não perde tempo em discutir a politização do judiciário. É claro que a justiça é política. A questão, levantada pela ministra em seu discurso de posse no CNJ, é saber se está a serviço da cidadania.
A "rebelde que fala", como se denominou numa entrevista, chegou à conclusão de que a melhor maneira de evitar o loteamento de sua toga seria colocando a boca no trombone.
Aos 65 anos, 32 de magistratura, Eliana Calmon já falou sobre quase tudo.
- Filhos de ministros que advogam nos tribunais superiores: "Dizem que têm trânsito na Corte e exibem isso a seus clientes. Não há lei que resolva isso. É falta de caráter" (Veja, 28/09/2010).
- Corrupção na magistratura: "Começa embaixo. Não é incomum um desembargador corrupto usar um juiz de primeira instância como escudo para suas ações. Ele telefona para o juiz e lhe pede uma liminar, um habeas-corpus ou uma sentença. Os que se sujeitam são candidatos naturais a futuras promoções". (Idem)
- Morosidade: "Um órgão esfacelado do ponto de vista administrativo, de funcionalidade e eficiência é campo fértil à corrupção. Começa-se a vender facilidades em função das dificuldades. E quem não tem um amigo para fazer um bilhetinho para um juiz?" (O Estado de S. Paulo, 30/09/2010).
Era, portanto, previsível que não enfrentasse calada a reação do Supremo Tribunal Federal à sua dedicação em tempo integral a desencavar o rabo preso da magistratura.
Primeiro mostrou que não devia satisfações aos padrinhos. Recrutou no primeiro escalão da política maranhense alguns dos 40 indiciados da Operação Navalha; determinou o afastamento de um desembargador paraense; e fechou um instituto que, por mais de 20 anos, administrou as finanças da justiça baiana.
No embate mais recente, a ministra foi acusada pelo presidente da Corte, Cezar Peluso, de desacreditar a justiça por ter dito à Associação Paulista de Jornais que havia bandidos escondidos atrás da toga. Na réplica, Eliana Calmon disse que, na verdade, tentava proteger a instituição de uma minoria de bandidos.
Ao postergar o julgamento da ação dos magistrados contra o CNJ, o Supremo pareceu ter-se dado conta de que a ministra, por mais encurralada que esteja por seus pares, não é minoritária na opinião pública.
A última edição da pesquisa nacional que a Fundação Getúlio Vargas divulga periodicamente sobre a confiança na Justiça tira a ministra do isolamento a que Peluso tentou confiná-la com a nota, assinada por 12 dos 15 integrantes do CNJ, que condenou suas declarações.
Na lista das instituições em que a população diz, espontaneamente, mais confiar, o Judiciário está em penúltimo lugar (ver tabela abaixo). Entre aqueles que já usaram a Justiça a confiança é ainda menor.
A mesma pesquisa indica que os entrevistados duvidam da honestidade do Judiciário (64%), o consideram parcial (59%) e incompetente (53%).
O que mais surpreende no índice de confiança da FGV é que o Judiciário tenha ficado abaixo do Congresso, cujo descrédito tem tido a decisiva participação da Corte Suprema - tanto por assumir a função de legislar temas em que julga haver omissão parlamentar, quanto no julgamento de ações de condenação moral do Congresso, como a Lei da Ficha Limpa.
A base governista está tão desconectada do que importa que foi preciso um senador de partido de fogo morto, Demóstenes Torres (DEM-TO), para propor uma Emenda Constitucional que regulamenta os poderes do CNJ e o coloca a salvo do corporativismo dos togados de plantão. "Só deputado e senador têm que ter ficha limpa?", indagou o senador.
Ao contrário do Judiciário, os ficha suja do Congresso precisam renovar seus salvo-condutos junto ao eleitorado a cada quatro anos.
O embate Peluso-Calmon reedita no Judiciário o embate que tem marcado a modernização das instituições. Peluso tenta proteger as corregedorias regionais do poder do CNJ.
Nem sempre o que é federal é mais moderno. O voto, universal e em todas as instâncias, está aí para contrabalancear. Mas no Judiciário, o contrapeso é o corporativismo. E em nada ajuda ao equilíbrio. Em seis anos de existência, o CNJ já puniu 49 magistrados. A gestão Eliana Calmon acelerou os processos. Vinte casos aguardam julgamento este mês.
Aliomar Baleeiro, jurista baiano que a ministra gosta de citar, dizia que a Justiça não tem jeito porque "lobo não come lobo". A loba que apareceu no pedaço viu que dificilmente daria conta da matilha sozinha, aí decidiu uivar alto.

COMENTO: E aí vem çuas inçelenças togadas do STF e querem calar a voz de uma cidadã dessa e retirar os poderes constitucionais da organização que ela representa, o CNJ.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Dia dos Médicos

Minha homenagem aos médicos pelo dia de hoje. Aos sérios e dedicados, meus respeitos e profunda consideração. Aos irresponsáveis e comerciantes da doença, meus pêsames.

Bebeu, Acidentou? Cana Braba. Simples Assim.


As notícias que vêm aparecendo muito frequentemente nos noticiários sobre acidentes envolvendo motoristas embriagados, ou no mínimos alcoolizados, que matam, ferem gravemente ou mutilam inocentes; com seus causadores saindo das cadeias e prisões "chorosos e arrependidos" e deixando prá trás famílias destruídas, levam ao debate de aumentar as penas e rigores para com esses motoristas.

Juristas de norte a sul querem aproveitar a revisão em curso do Código Penal para tornar mais rigorosa a punição para quem dirige embriagado e mata no trânsito. 16 expoentes foram convidados para integrar a comissão de reforma da legislação, instituída hoje no Senado Federal, defendem pena mais dura para motoristas bêbados até quando não há acidente.
O Código de Trânsito em vigor já prevê que dirigir embriagado leva a punição. Mas, em caso de acidente que provoque lesão corporal ou morte, as penas ainda são levas e têm de ser mais severa do que a prevista para crime culposo (aquele sem intenção).

Pelo que se sente nas ruas e redes sociais, é isso o que a sociedade espera; que a embriaguez se torne qualificadora do crime de homicídio; como é na Europa e em muitas unidades dos Estados Unidos, em que é classificado como direção temerária de maneira abusiva, A idéia é que, em vez de 2 a 4 anos de prisão, a pena suba para 4 a 8 anos de reclusão.
Manifestações por tal fato merecem destaque e vêm acontecendo em várias cidades, principalmente onde ocorreram acidentes brutais recentemente, quando manifestantes alem de homenagear as vítimas, lançam campanhas e recolhem assinaturas para mudar a atual legislação por meio de projeto de lei. Uma das idéias é que legistas acompanhem as blitz específicas para o cumprimento da lei seca para que se garanta a prova do crime; enquanto a discussão sobre a legalidade do bafômetro segue no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Supremo Tribunal Federal (STF).
Cauteloso, o senador Pedro Taques (PDT/MT), autor da proposta que criou a Comissão de Reforma Penal, acha que os assuntos terão de ser discutidos com calma. "Quando o Código Penal foi escrito, em 1940, a sociedade era sobretudo rural. Hoje, é o contrário. O número de mortes em razão de excesso de velocidade e embriaguez dos motoristas é assustador."
Pessoalmente, acho essa discussão muito válida e importante, porque a quantidade de acidentes provocados por motoristas alcoolizados, dirigindo em velocidade acima da permitida, atropelando pessoas em cima da calçada ou provocando choques com mortos é cada vez maior (ou não; mas pelo menos são mais registradas por câmeras do imenso Big Brother em que vivemos).
Nosso gentil corpo de ministros do STF, que costuma entender que devemos ser caridosos com assassinos internacionais e com políticos envolvidos com falcatruas, também acham que motoristas alcoolizados também não têm dolo em seus acidentes, quando desqualificou um motora que havia sido enquadrado assim pelo Ministério Público. Destaco que esta decisão contraria sentença dos anos 90 do mesmo tribunal, em outra configuração.
Tem muita coisa prá ser discutida, como diz o professor Luiz Flávio Gomes, professor de Direito Penal numa entrevista para o Estado de São Paulo; "Há muitas lacunas. Por exemplo, o conceito de crime organizado não existe. O de cola eletrônica feita por vestibulandos, também não. Os crimes informáticos puros também não estão definidos no Código e, portanto, necessitamos incluí-los. O delito de terrorismo da mesma forma não está previsto. Veja que são pontos-chave, de muita urgência. Por outro lado, alguns delitos já presentes precisam ter uma revisão da forma como estão descritos e suas penas, como é o caso da formação de quadrilha ou bando". Da mesma forma, os acidentes de trânsito com agravante de bebidas, também estão no centro dos debates.

Acompanhemos.

Vai Faltar Óleo de Peroba na Praça

O buxixo do fim de semana foi a denúncia da VEJA contra o tapioqueiro Orlando Silva, sinistro dos esportes. Nada de tão novo, posto que há anos se denuncia que o tal Programa Segundo Tempo era uma enorme fonte de renda para os cumpanhêrus do PC do B, no mesmo sistema do MINTRANS para o PR. Quadras, campos, ginásios, etc "existem" país afora sem jamais terem saído do papel embora tenham sido pagos.

O que há de se destacar é a cara de pau com que a corja governante trata as denúncias; desqualificando os denunciantes e defendendo com unhas e dentes seus aliados.

O Orlandão, de tão indignado que ficou, comunista que é até invocou Deus. Num lance de sinismo extremo, solicitou que a PF e a PGR fizessem "investigações" contra ele, disponibilizando seus sigilos para tal. Mas meu caro devorador tapioquístico, a babita não era entregue em espécie nas tais caixas de tênis Adidas? Prá que quebrar sigilo?

O Sinistro da Justiça José Eduardo Cardoso disse que vai determinar à Polícia Federal que abra inquérito para investigar as denúncias de pagamento de propina, a pedido do próprio Orlando.
Mas de cara já disse que nosso glorioso quer contribuir com a investigação. "Obviamente, este gesto nos ajuda na medida em que há uma intenção clara do ministro em uma apuração, que será feita de forma rigorosa e aprofundada pelos órgãos da PF que serão responsáveis pelo caso", afirmou Cardozo ontem. Dudu também disse que o PM João Dias que fez a denúncia será ouvido pela PF.
Prá quem ainda não sabe, João é ex-militante do PC do B, e comanda a Associação João Dias de Kung Fu sendo presidente da Federação Brasiliense da modalidade. As duas entidades firmaram convênios com o Ministério do Esporte. Segundo Dias, o esquema existe desde a gestão de Agnelo Queiroz, atual governador do Distrito Federal, quando Orlando respondia pela secretária executiva do ministério.
Orlandão rebateu as críticas e afirma que se trata de jogo político contra ele, mesmo estando enrolado até o pescoço em outras denúncias.

Como a governANTA está em turismo na África do Sul, não quis responder perguntas da imprensa brasileira sobre o futuro do ministro mas o não menos glorioso Merdandante já levantou sua bandeirinha de perdão dizendo que "É mais uma iniciativa para que todos os fatos sejam esclarecidos e que fique claro que as supostas denúncias não passam de mentiras e calúnias, feitas por um cidadão que está sendo processado pela Justiça. Orlando Silva prestou e tem prestado um grande serviço ao Brasil. Nós tivemos os Jogos Panamericanos, que foram um êxito, temos um calendário que é um grande desafio para o Brasil, com a Copa e as Olimpíadas e ele esteve à frente de todos os eventos, como um grande arquiteto deste caminho e destas iniciativas", disse Mercadante.
A única menção de deelma ao fato foi dizer que Orlando Silva "é um quadro político muito importante para o País" e que "espera que este episódio seja superado o mais rapidamente possível". Ela lembrou que o ministro já confirmou presença no Congresso Nacional para prestar todos os esclarecimentos e que todas as denúncias serão investigadas. Ressalvou, no entanto, que "o que não pode ter é um pré-julgamento e violar o princípio da presunção da inocência". E emendou: "Vamos aguardar os fatos. Que se apresente alguma prova para que a gente possa saber do que se trata".
Merca também falou que estava saindo em defesa do seu colega "exatamente pelo carinho que tem por ele". E insistiu em que é importante que se dê, sobretudo, o direito de defesa a quem prestou serviços relevantes e presta serviços tão importantes quanto o ministro Orlando Silva.
Outro que já berrou, até porque também está com o pescoço a prêmio, foi o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, que afirmou que as denúncias contra o titular do Ministério do Esporte, Orlando Silva, devem ser investigadas, mas é necessário ter cautela na análise da versão narrada pelo policial, que é uma fonte "duvidosa e que até já foi preso".
Num arroubo da arrogância tradicional, Lupi acha que Orlando não deve se afastar do cargo durante as investigações, "porque senão ele estará condenado perante a sociedade. Se comprovado o erro, é diferente". E ainda que as investigações devem ser realizadas, mas resguardando o direito constitucional de presunção de inocência até haver prova em contrário. "Senão vira tribunal de inquisição, aí qualquer denúncia condena a pessoa", justificou.

Vamos ver quem falará hoje pelo caboco Orlando.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Pacotão Mais Uma Vez



No cordel da sexta feira passada tratei do pacotão que dona deelma anunciaria essa semana. Pois hoje no café com a presidenta ela fez o lançamento do pacote de R$ 30 bilhões para obras de mobilidade urbana. Segundo ela, o pacote vai incluir a construção de metrôs, corredores exclusivos para ônibus e veículos leves sobre trilhos (VLT).
"A população passa boa parte de seu tempo se deslocando entre a casa, o trabalho, a escola e outras atividades. Por isso, garantir um transporte público de qualidade, rápido, moderno, seguro e com preços acessíveis significa melhorar a vida de todas as pessoas", disse. De fazer chorar de emoção né?
Ainda disse que nas cidades brasileiras onde já há serviços de metrô, o transporte é reconhecido como rápido, moderno, com qualidade e conforto por diversas classes sociais. Apenas em Curitiba, segundo ela, o metrô será responsável pelo transporte de cerca de 300 mil pessoas todos os dias.
Em Belo Horizonte a ideia é construir 11 terminais de integração de ônibus, atingindo também sete municípios da região metropolitana. Em Porto Alegre, serão oito corredores. Outra opção de transporte público são os trens urbanos, com previsão de construção em São Leopoldo e Novo Hamburgo, ambos no Rio Grande do Sul, e em outras 21 cidades.
"Cada vez mais brasileiros estão tendo oportunidade de comprar o seu próprio carro. É sinal que a renda da população está melhorando e o país continua crescendo. Mas a solução do transporte nas grandes cidades está no investimento no transporte público de qualidade. Sem isso, as cidades se transformam em um caos", concluiu a governANTA.

Não aposto um centavo nisso, mas acompanhemos, pelo menos para saber das taxas de sucesso envolvidas.

A Prepotência de Sempre

Desde os tempos idos do nove dedos que a diplomacia brasileira é motivo de vexames e vergonha internacional para as pessoas de bom senso. Antes era querendo que o dito cujo fosse secretário geral da ONU, Prêmio Nobel da Paz e mais um monte de coisa. E com isso gastaram rios de dinheiro com caridades mundo afora, seja diretamente em doações e transferências, seja em perdão de dívidas e ainda com financiamentos camaradas do BNDES.
Mudou o dono da caneta mas o antes respeitado Itamarati continua em suas mega-loucuras. O atual chanceler Antônio Patriota deu uma entrevista para a Folha de São Paulo dizendo que o Conselho de Segurança da ONU tem que assumir a responsabilidade pela resolução do conflito entre Israel e Palestina porque o Quarteto formado por Estados Unidos, União Europeia, Rússia e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se mostrou "inoperante" em promover negociações.
Na época do EX, ele mesmo queria ser o negociador. Agora parece que o Toinho quer fazer ele mesmo o meio campo pois a governANTA não tem esse traquejo.
Não satisfeito com essa asneira, Toinho ainda disse que o Brasil se absteve na última resolução sobre a Síria para evitar a "dinâmica de polarização" entre os membros permanentes do CS e manter um espaço de negociação. CUMA? Que poha é essa?
Também criticou os países que lideram a força de intervenção na Líbia por tomarem decisões que não lhe cabem, como o envio de armas aos rebeldes.
Ficou na moita ao dizer que o quarteto citado passou a se reunir em várias capitais pelo mundo afora, na Europa ou no golfo Pérsico, deliberando sobre assuntos que são da competência estrita do Conselho de Segurança. Por exemplo, levantar ou não o embargo, armar ou não os rebeldes. Isso é um problema sistêmico, e apontá-lo não deve ser interpretado como simpatia pelos métodos de Mummar Gaddafi, afirmou.
"No Conselho de Direitos Humanos da ONU nós votamos a favor de uma resolução condenatória, e a credibilidade do Brasil foi suficiente para que um brasileiro fosse indicado chefe da comissão de investigação, junto com um turco e um norte-americano. Estamos trabalhando ativamente com o governo sírio para que eles sejam recebidos, assim como trabalhamos ativamente também para que os jornalistas brasileiros obtivessem vistos para ir à Síria, e conseguimos. As matérias contribuíram para elucidar a opinião pública brasileira sobre a complexidade da questão".
A criatura vai acompanhar a dentuça na viagem à África. Pode esperar que vai dar mais vergonha na gente.