Read In Your Own Language

sábado, 11 de junho de 2011

Isso É Tráfico de Influência Sim



Baseado em artigo de BERNARDO MELLO FRANCO na Folha de São Paulo
Esse país está virando uma zona mesmo. Possuidor de um conjunto de leis tão grande que chega a atrapalhar, aplica-se muito poucas delas na hora em que realmente são cabíveis.

Nem vou invocar o Procurador Geral que não vê indícios nem a corte que prefere a autonomia e independência de um ser prepotente e arrogante frente a acordos internacionais.

Mas teve o Toinho que fazia consultorias a empresas que deviam o fisco, que precisavam fazer fusões questionáveis frente ao CADE e outras cositas más; tem Jei Dee que faz consultorias do mesmo estilo desde que foi defenestrado do mandato e paira acima de tudo que possa ser moral e ético e agora um que foi o número 1, o líder da curriola se apresenta como o grande mentor.

Palestrante dos mais bem remunerados da face da terra, o EX faz suas lambanças verborrágicas casualmente a grandes financiadores de suas campanhas ou a empreiteiros que ainda estarão com a mão no bolso sempre que ele chamar.

Mas tem gente que enxerga meu senhor. Não se pode fazer todo mundo de leso impunemente.

Seu mais recente cliente foi a TetraPak, única fabricante daquelas embalagens longa vida e que "envelopa" de tudo neçepaíz" . É um ótimo produto, que assegura durabilidade ao seu conteúdo, seja qualfor. Mas é CARO. A concorrência de embalagens de alumínio ou metais e ligas menos nobres coloca os produtos em continente TetraPak em desvantagem comercial.

Na maior cara dura, o EX falou lá sua baboseira e no final assegurou a Paulo Nigro, presidente da empresa qe o contratou, que iria procurar autoridades do governo para ajudar a empresa a reduzir impostos sobre "embalagens de leite".

Claro que a tal medida poderia reduzir de todas as embalagens, mas quem vende em lata já é mais competitivo. Mas não...
Sem o menor pudor, o nove dedos disse que falaria com o margarina para defender o pleito da multinacional, buscando reduzir o ICMS cobrado por alguns Estados sobre as embalagens de leite longa vida.
Embalado pelos 200 contos estimados que cobra numa poha dessas, o coisa confirmou ter tratado do assunto, mas disse não atuar no governo como representante das empresas que o contratam.
Já se sabia que Nigro tinha pedido "uma mão" a loola para facilitar a venda das caixinhas de leite em programas de alimentação popular, ao que teria respondido que fará "o que puder fazer para ajudar". E mais, disse não ver "nenhum problema" em fazer gestões políticas para "influenciar" na queda do ICMS sobre as embalagens.
"Eu disse que o companheiro Guido Mantega estava discutindo com os governadores [...] e que se eu pudesse influenciar para que o ICMS se reduzisse, para o leite chegar com mais qualidade à casa das pessoas, não teria nenhum problema", afirmou.

Como mais qualidade cara pálida? As boas e antigas latinhas de flande não fazem a tarefa há séculos?
Ressalto que o que o serrergonha disse foi em ambiente público, numa reunião, num debate ou numa entrevista. Não foi uma conversa reservada. Com registro pelas câmeras do cliente que usará as imagens em suas propagandas, ainda que internas.
Na verdade, a palestra foi fechada à imprensa, como exige o próprio Lula nos contratos fechados por sua empresa, a LILS Palestras, Eventos e Publicações Ltda. A empresa confirmou o diálogo entre Nigro e Lula, mas disse que não comentaria o assunto.
O absurdo é que çua ex-inçelença disse não atuar como consultor ou representante, no governo, de empresas para as quais faz palestras. "No dia em que eu quiser ser representante de uma empresa, eu deixarei a política e virarei consultor ou conselheiro de empresa", disse.

A se concretizar isso, começa a desmoronar o slogan da TetraPak...

UHE Teles Pires

No meio do furdunço criado pela saida de Toinho e a sua substituição pela Barbie do Paraguai essa semana (o melhor foi Tia Ideli voltar à cena), passou meio que batida a assinatura do contrato de concessão para a construção da Usina Hidrelétrica de Teles Pires no Rio de mesmo nome, um afluente do grande Rio Tapajós na divisa entre os Estados de Mato Grosso (Paranaíta) e Pará (Jacareacanga). O contrato foi assinado em cerimônia reservada no gabinete de dona deelma pelo sinistro Lobão Graúna e pelo diretor-presidente da Neoenergia, Marcelo Corrêa, líder do consórcio (50,1%) formado com Furnas (24,5%), Eletrosul (24,5%) e Odebrecht (0,9%). A Neoenergia por sua vez é uma sociedade da Iberdrola, Banco do Brasil Investimentos e da Previ.
É uma usina de médio porte de 1.820 MW de potência instalada, com previsão para operar em janeiro de 2015, com um custo de produção de R$ 58,30 por megawatt/hora (MWh), um ótimo determinante.
Prevista nos planos plurianuais coroados pelo Plano Decenal de Energia elaborado pela Empresa Produtora Energética (EPE), do Ministério das Minas e Energia, a UHE compõe um conjunto de usinas de produção e regulação dos rios da microregião com sete usinas no total. Serão as UHE's SINOP (461 MW), Colíder (342 MW), Magessi (53 MW), São Manuel (746 MW) e a própria Teles Pires.

Além dessas, estão previstas mais as UHE's de Foz do Apiacás (275 MW), no rio Apiacás, também em Mato Grosso, e de Marabá (2.160 MW), no rio Tocantins, na divisa dos estados do Pará e Maranhão.
A obra está orçada em R$ 3,3 bilhões, vai gerar 17 mil empregos diretos e indiretos e o reservatório alagará uma área de 150 quilômetros quadrados, uma área pequena para os canais dos rios da Amazônia. O sistema de transmissão associado seráem 500 KV e terá cerca de 1000 km até se conectar ao sistema interligado nacional.

Diversas audiências públicas foram realizadas em Sinop/MT para discutir os efeitos ambientais, principalmente a possibilidade de elevação do lençol freático que poderá ocasionar a contaminação de poços artesianos, o enchimento constante das fossas sanitárias, o aumento de mosquitos e a proliferação de doenças. Também há proximidade de terras indígenas cujas aldeias podem sofrer alguma influência dos milhares de operários que migrarão para as obras. Reclama-se na regão da insuficiência de informações sobre o sistema de eclusas das barragens que poderiam permitir a implantação de hidrovias na área. Poderá haver também o aumento do calor em função da expedição do gás metano, a morte de peixes e variadas espécies de animais e plantas que são do bioma do do rio Teles Pires. Além das conseqüências ambientais, de acordo com o grupo a barragem poderá promover o êxodo rural, conforme temor dos grupos de estudo.
Uma coisa a destacar é o processo construtivo e operacional a ser usado para as equipes, adotando o sistema de usina embarcada em que os profissionais ficam por períodos longos se alternando entre o local de trabalho e folgas. O infográfico abaixo apresenta a localização física do complexo.

Troca Troca é Para Os Fracos: Mudando o Ministério

Dona deelma botou prá quebrar.

Pos o Toinho prá correr e deixou exposto às moscas pois não tem mais foro privilegiado. No seu lugar nomeou a Barbie do Paraguai, ex-diretora financeira de Itaipu, que fez uma campanha milionária para o senado. Resta saber se a porcaria da oposição vai tocar em frente e investigar ambos. Se quiserem dá cadeia.

Mas a glória foi a troca entre Ideli Tainha e Luiz Garçom.

Ela tem exatamente o perfil de articuladora. Calma, sensata, equilibrada e afeta ao diálogo. Ele o maior jeitão de pescador: paciente, espera acontecer, não perturba ninguém.

Tem tudo prá ser show. Aguardemos.

Frutas da Amazônia

Minha amiga @pfuime comentou esses dias sobre as peculiaridades das frutas da Amazônia e o desconhecimento delas por aqueles que ainda não vieram à Região. Segue alguma coisa para primeiros passos. Tem muito mais. Clique nas figuras para ampliar.





sexta-feira, 10 de junho de 2011

Comando Naval Libera Porto de Parintins

Depois de muito transtorno, afundamento parcial logo após a primeira inauguração há uns 6 anos atrás, denúncias de superfaturamento nunca apuradas, interdições, obras emergenciais; foi concedida autorização da Marinha para o porto de Parintins, a 370 km de Manaus via fluvial, operar pelo menos durante o período do festival folclórico agora em junho, este ano ocorrendo nos dias 24, 25 e 26.
A obra de recuperação durou cerca de um ano e teve investimento de R$ 9,3 milhões. A inspeção foi realizada pelo vice-almirante Antônio Carlos Frade Carneiro, comandante do Nono Distrito Naval que foi acompanhado pelo comandante da Capitania dos Portos da Amazônia Ocidental, Odilon Andrade Neto, pelo superintendente das Hidrovias da Amazônia Ocidental (Ahimoc), Sabá Reis, e pelo Superintendente Substituto do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) Fábio Porto. Prá variar, foram homenageados por uma apresentação de boi bumbá, e visitaram todas as instalações do terminal de passageiros e cais do porto.
Esta etapa da obra esteve a cargo do 2º Grupamento de Engenharia de Construção, que durante os trabalhos de recuperação executou elevação do nível de todo o setor fixo, para evitar alagações como as que aconteceram nas últimas grandes enchentes, além de modificações e ampliações nos equipamentos de poita e ancoragem do sistema de fundeio que sustenta as pontes e os flutuantes, possibilitando aumento da capacidade de carga. A parte elétrica, naval e civíl também passaram por reformas.
Os cuidados operacionais mais imediatos e permanentes são com o acúmulo de troncos e galhos por baixo da ponte de acesso ao cais, o que poderia causar esforços não previstos no projeto original. Segundo o Comando, para resolver o problema a Ahimoc e o Dnit vão contratar uma empresa para fazer a limpeza diária da ponte. A liberação do porto para atracação de embarcações deve ser feita no próximo dia 17 de junho.
O porto de Parintins possui um cais com 150 metros de cumprimento, com capacidade para 2,5 mil toneladas, equivalente à atracação de cerca de 100 embarcações regionais. O Terminal de passageiros tem salas para embarque e desembarque climatizadas, com banheiros, estacionamento, e estrutura para ser transformado em ponto turistico, com lojas e restaurantes.

Chamo a atenção aos detalhes e peculiaridades da região. Porto por aqui é a rodoviária do resto do Brasil. São poucas a estradas e rodovias que interligam as cidades, vilas e povoados. Boa parte do ano estão intransitáveis pelas chuvas e enchentes. Parintins tem um fluxo turístico constante ao longo do ano e não só apenas durante o festival folclórico. Os navios de cruzeiro já incluem a cidade em seus tours anuais, razão pela qual o porto é de finalidade capital.
Depois da festa as obras continuarão com a ampliacao do cais, complementação da poitagem, instalação de cobertura da ponta de embarque, implantação da infraestrutura complementar no terminal. A ilha Tupinabarana merece. É um trecho muito bonito do médio Amazonas. Dá prá ver pelas fotos.


Informações e fotos da assessoria de comunicação do DNIT.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Não Basta Ser Bandido; Tem Que Acolher Mais

Quem pensou que já tinha visto de tudo neçepaiz parido em 2003 a partir do (des)governo dos petralhas, não perdeu por esperar. Já teve de tudo: a instalação do que houve de pior na casa covil, mensalão, dinheiro na cueca e outros acessórios, dossiês, descaminhos, .....Chega. Vou vomitar.

Ontem, prá coroar, a corte suprema do país decidiu que manter a palavra de um EX-presidente cachaceiro e falastrão é mais importante que cumprir acordos internacionais.

O Supremo Tribunal Federal (STF) resolveu por seis votos a três, manter a determinação do EX que negou o pedido de extradição do ex-ativista de esquerda Cesare Battisti, a conselho de seu sinistro da justiça Tarso Genro.
Mesmo estando preso desde 2007 por porte de passaporte falso, o assassino italiano foi libertado ontem ainda pois o presidente do STF Cézar Peluso se apressou em assinar o alvará de soltura de Battisti, para tirá-lo do presídio da Papuda de madrugada, uma operação perigosa até prá corja vermelha, pois a bocada lá é quente e os meninos que lá habitam não reconhecem os privilégios de membros do governo.
Mesmo com o voto muito sábio e embasado do ministro Gilmar Mendes, que defendeu a anulação do ato do EX e negou o pedido de liberdade feito pela defesa de Battisti, a maioria determinou que o ex-ativista e terrorista fosse solto. Só acompanharam o voto do relator o presidente do STF, Cezar Peluso, e a ministra Ellen Gracie. Ela falou sobre o sentimento de impunidade que a decisão do EX poderia gerar na sociedade italiana. Toffolli se declararou impedido.
Agora diz aí: um cara que já foi integrante do grupo Proletários Armados para o Comunismo (PAC), julgado e condenado por quatro assassinatos à prisão perpétua em seu país de origem e que alega que era por uma hipotética revolução popular e que sofria perseguição política na Itália, vivendo fugitivo e acoitado escondido por meio mundo, merece algum crédito?
Claro que há formalidades legais a cumprir pois ele está sem passaporte ou visto de autorização para permanecer no país. Mas isso o corno do Suplicy resolve em meia hora junto com aquele bando de parlamentares serrergonhas que fizeram a foto com o ítalo-safadão.
O próprio sinistro da Justiça José Eduardo Cardozo já afirmou que, se Battisti pedir visto de permanência no Brasil, "o pedido tramitará normalmente pelo Ministério da Justiça até final apreciação nos termos da legislação em vigor”, ou seja 24 horas no máximo. Mesmo não antecipando a decisão Dudu disse que, durante o período de tramitação do pedido de visto, a permanência "será tida por regular, conforme inúmeros precedentes já existentes”. HEIN? Só ouço falar de nêgo preso em salinhas por dias.
O maior desgosto prá um cidadão sério e a maior vergonha para o país foi o argumento da proposta vencedora entre os ministros de que "o governo da Itália não teria legitimidade para contestar uma decisão de um presidente brasileiro", e que foi levantada por ninguém menos que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, o mesmo que arquivou o caso de Toinho por não enxergar nenhum indício de crime.
“O processo de extradição é um ato de soberania do estado brasileiro. O tramite do processo é questão interna corporis da República Federativa do Brasil. Falta à República italiana legitimidade para impugnar ou exercer o controle de do ato do presidente que negou a extradição de Cesare Battisti”, afirmou Gurgel.
Ainda como argumento de defesa, foi dito na corte que o Brasil ter anistiado os acusados por crimes políticos durante o governo militar. Quer dizer que lá pode e aqui não?
“Estou invocando o argumento moral da anistia. Demos anistia a agentes do estado, a homens que torturaram meninas e meninos de 18 anos com choques nas vaginas, no pênis e no ânus, antes de os jogarem de aviões. Se nós demos a anistia a todos, é não só moralmente legítimo, como moralmente desejável, que o presidente da República do Brasil não venha punir no Brasil pessoas que aqui estão por fatos que nós tomamos a decisão política de não punir”, afirmou o advogado. Coroou com "extraditar Battisti seria uma vingança histórica”.
Pois agora perante o mundo, é oficial aquilo que "revolta" os puristas que ficam magoados quando nos filmes policiais e de máfia; os bandidos se referem à conclusão de seus golpes com fugas maravilhosas e desfrutes dos prazeres em terras tupiniquins.

Pode contar que daqui a algum tempo o Battisti ainda vai pedir indenização e pensão por ter ficado esses anos presos e arranjar uma boquinha n'algum lugar do governo.

De certo é o jantar festivo com os que o protejeram e as matérias e entrevistas na imprensa, com destaque no Fantástico, Ana Maria Braga, Luciana Gimenes, Jô Soares, etc . Talvez ainda tema o Rio de Janeiro, pois por lá ainda prendem bombeiros. Sei não...

-----------------------

Ainda ontem à noite, fui ver as manchetes dos jornais italianos. Vejam a seguir.
Corriere della Sera: Battisti, rigettato il ricorso dell'Italia Brasilia vota per la scarcerazione http://tinyurl.com/5r5vecx
Il Messagero: Battisti, Corte suprema Brasile dice no all'estradizione; il terrorista subito libero http://tinyurl.com/3qmmnyt
La Reppublica: Battisti, la Corte: no a estradizione l'ex terrorista libero tra poche ore http://tinyurl.com/3eucudo
La stampa: Battisti, la Corte respinge il ricorso "L'Italia non può contestare Lula" http://tinyurl.com/3jp37zj

As autoridades italianas, inclusive o primeiro ministro Belusconni e o presidente Giorgio Napolitano, protestaram e colocaram que o a suprema corte do Brasil colocou as questões políticas acima das técnicas e jurídicas e que não levou em conta o respeito às leis e os sentimentos do povo italiano nem os sofrimentos das vítimas de Battisti.

A população lidera um movimento para que a Itália boicote a copa de 2014 e que convite outros membros da comunidade européia a fazê-lo também.

VERGONHA

Quiça Cresça Mesmo O Polo Petroquímico


O geólogo Marcio Mello, CEO do grupo HRT que atua na área de prospecção, exploração e produção de petróleo e gás anunciou esta semana que a empresa irá investir até 2014 cerca de US$ 3 bilhões nos campos da província petrolífera do Rio Juruá, próximo à cidade de Carauari. Esse incremento elevará dos 3 mil atuais para 6 mil os empregos diretos gerados pela empresa.
Estão previstas a construção de um gasoduto e um poliduto entre Coari e Manaus, ao longo do traçado do existente e operado pela Petrobras; um Centro de Desenvolvimento de tecnologia da área Óleo/Gás e empresas do ramo petroquímico, de compostos orgânicos e inorgânicos e de biotecnologia, além das fábricas de suas próprias sondas de perfuração. “Os tubos do gasoduto e do oleoduto, construídos pela Petrobras, foram levados a Urucu por barcos e tratores. Só no final, que começaram a ser transportados por helicópteros. Mas, no caso da HRT, nós temos os seis maiores helicópteros do Brasil. Com o nosso helicóptero eu transporto dois dutos, por isso nosso impacto na floresta vai ser praticamente zero. Além de operarmos mais rápido e barato”, explicou Mello.
A HRT também montou uma pequena empresa de aviação, a Air Amazônia, para fazer o transporte dos funcionários e máquinas por meio de uma frota com onze helicopteros e três aviões. Até o fim do ano, a Air Amazônia pretende abrir linhas de vôo entre Coari, Tefé e Carauari e a capital do Estado e no futuro explorar a aviação regional.
No campo ambiental, o grupo HRT firmou parceria para investimentos da ordem de R$ 24 milhões em projetos de desenvolvimento sustentável no Amazonas. Os recursos são oriundos do programa “Barril Verde HRT”, que prevê um fundo com recursos oriundos do recolhimento de R$ 1 para cada barril de petróleo comercializado pela empresa.
Os recursos desta contribuição da HRT serão investidos no Fundo Permanente da FAS. A importância possibilitará o crescimento do Programa Bolsa Floresta para aproximadamente oito mil famílias. O Programa Bolsa Floresta investe em ações voltadas para a redução do desmatamento e melhoria da qualidade de vida das comunidades ribeirinhas residentes nas unidades de conservação estaduais do Amazonas.
Segundo Mello, a companhia está em contato com uma cooperativa de costureiras em Carauari para a fabricação de todos os uniformes dos funcionários da HRT.
Para o superintendente geral da FAS, Virgílio Viana, é fundamental que as indústrias de petróleo sejam catalisadoras de processos de desenvolvimento sustentável, por ser um setor que tem grande viabilidade econômica para contribuir com este movimento.
Parte dos recursos, de R$ 4 milhões, será aplicado de imediato na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Uacari, no município de Carauari (a 702 quilômetros de Manaus). Dividido em dois aportes de 50%, em 2011 e 2012, o recurso será direcionado ao Programa Bolsa Floresta e aos programas de apoio, voltados à produção sustentável, educação e saúde das populações extrativistas da reserva. Segundo o superintendente geral da FAS, Virgílio Viana, os investimentos na reserva, localizada na calha do Rio Juruá, priorizarão a geração de renda sem a degradação do meio ambiente.
Os demais recursos a serem investidos pela HRT, provenientes da receita com a venda de petróleo, serão destinados ao Fundo Permanente da FAS, responsável pelo financiamento do programa Bolsa Floresta. Até 2013, a empresa estima destinar R$ 20 milhões para o fundo. “Este benefício excedente irá possibilitar a ampliação do programa social para mais oito mil famílias extrativistas”, afirma Virgílio Viana, ressaltando que a iniciativa é pioneira no mundo ao prever o uso sustentável do petróleo, mantendo a floresta preservada.
Com os aportes da HRT no Fundo Permanente, gerenciado pelo Bradesco/BRAM, a empresa se torna mantenedora da FAS, ao lado do Governo do Amazonas, Banco Bradesco e Coca-Cola. O Fundo Permanente conta atualmente com R$ 65 milhões. Os rendimentos anuais da aplicação desse montante financiam, ad eternum, um dos quatro componentes do Bolsa Floresta: o Familiar. Esse componente e os outros três (Renda, Social e Associação) do programa recebem aportes de R$ 1.360,00 por família por ano. O Programa Bolsa Floresta investe em ações voltadas para redução do desmatamento e melhoria da qualidade de vida de comunidades ribeirinhas residentes nas unidades de conservação estaduais do Amazonas.
A secretária estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Nádia Ferreira, elogiou a iniciativa da HRT e defendeu a criação de uma lei que determine a obrigatoriedade de empresas produtoras de petróleo em investimentos compensatórios na região, voltados para ações socio-ambientais.

Fontes: Portal Amazônia, Jornal Diário do Amazonas, Blog do Ronaldo Tiradentes, Radio CBN/Rio, Site da HRT.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Nova Inquilina da Casa Covil: Gleisi Hoffmann, A Barbie do Paraguai

Toinho não aguentou o pampeiro e caiu. E lá vamos nós. Vida que segue. Agora a ocupante da cadeira de chefe da casa covil chama Gleisi Helena Hoffmann. Após consultas aos amigos e amigas no twitter adotaremos o codinome Barbie do Paraguai. Por que? A carinha é de Barbie pelas feições bonitas e finas, mas a sinistra foi uma defensora ferrenha no senado quando da votação da triplicação da tarifa de compra da energia refornecida por Itaipu da sobra daquela que o Paraguai não usa.

Portanto, é contra o Brasil. E aqui começa nossa estória, né lourinha?

De família catarinense com origem alemã, nascida em 06/09/65, Gleisi é formada em Direito na Faculdade de Direito de Curitiba, com especialização em Gestão de Organizações Públicas e Administração Financeira. Esposa do sinistro das comunicações Paulo Bernardo, tem dois filhos. Seu primeiro matrimônio foi com o jornalista Neilor Toscan.

Fez sua carreira política como integrante do PT desde 1989, e já foi secretária de Estado no Mato Grosso do Sul na gestão de Zeca do PT (o que ela foi fazer lá, saindo do Paraná?) e secretária de Gestão Pública da prefeitura de Londrina. Participou lá em 2002, da equipe de transição de governo do EX, e na balada foi nomeada diretora financeira da Itaipu Binacional, uma boquinha reservada a poucos. Ali permaneceu até início de 2006, ano em que disputou e perdeu uma vaga ao Senado Federal. Em 2008, candidatou-se à prefeitura de sua cidade natal, Curitiba, mas obteve o segundo lugar com 18,17% do votos. Em 2010, disputou novamente o cargo de senadora, elegendo-se desta vez como a mais votada.

Cabe não deixar barato o sangue traíra de PTralha que carrega pois, numa reunião da bancada petista sobre a polêmica que envolveu o nome de Toinho, nossa Barbie defendeu que fosse esclarecido o aumento de patrimônio do ex-ministro. Claro que pensava no cargo pro maridão, mas já que caiu no colo ela não recusou.

E fica o registro histórico de que nuncaantisnaistóriadeçepaiz houve um casal de ministros na administração federal.
Usuária das redes sociais, seu blog é o http://www.gleisi.com.br/, seu twitter é @gleisi e seu facebook é Gleisi Hoffmann. Sigam-na pois pelo que se sabe ela usa intensamente e responde, segundo informou ontem à noite a GloboNews.

Diminui A Produção de Pinga Que Sobra Pro Etanol

O discípulo de pintura capilar do Riba Sarnei, Edilson Lobão perdeu de vez a vergonha do ridículo de desconhecer totalmente sua função.

Segunda feira a cabeleira de graúna afirmou que podem ocorrer novos problemas de abastecimento de etanol no país. Segundo ele, assim como ocorreu neste ano, pode haver falta do combustível em postos durante a próxima entressafra da cana-de-açúcar, que ocorre nos primeiros meses do ano. Esse problema poderia causar novamente uma alta no preço do produto.
“Temos preocupação com a próxima safra.” disse o personagem, acrescentando que "o governo vem conversando constantemente com empresários do setor sucroalcooleiro para projetar o abastecimento de etanol para o ano que vem. Segundo ele, caso falte combustível, a mistura de etanol na gasolina pode ser reduzida para manter o preço do produto.
A falta de comando é tão grande que a ação do MME se limita a conversar com os produtores para que aumentem a produção maior. ao invés de adotar os devidos cuidados para reforçar estoque e neutralizar futuras crises. “Se isso não for possível, reduziremos aquilo que o governo não quer reduzir, que é mistura de etanol na gasolina, de 25%, para 22%, para 20%...”
Para evitar problemas como esse no futuro, Lobão afirmou que o governo federal trabalha em um plano decenal para aumentar a produção de açúcar e álcool no país. O plano, segundo ele, está em fase final de preparação e deve ser anunciado em breve.
Num surpreendente "surto de lógica", Lobão afirmou também que a intenção do governo é aumentar as exportações de etanol com o planejamento da produção. Por isso, o plano decenal vai trazer metas para a venda do produto para o mercado internacional. "O governo pretende exportar etanol mais do que já vem exportando", disse ele. “Não conseguiremos fazer isso se não garantirmos uma produção, que desde logo, abasteça o mercado nacional. Então, precisamos de um ganho na produção para exportar.”
Para o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Marcos Jank, o anúncio do plano decenal é surpreendente e que o setor sucroalcooleiro saberá qual será seu papel para os próximos anos. Assim, os empresários poderão fazer os investimentos necessários para atender às expectativas do governo referentes à produção.

Resta saber quem soprou isso nos ouvidos atentos do Canis Lupus prá essa reportagem da Época.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Troco Um Coração Por Grana

"Ela roubou meu coração". Foi assim que começou mais uma sessão do estupro aos cofres brasileiros, e portanto aos nossos impostos , feito pelo ditador bolivariano Huguito Chavico. Nem bem dirijiu-se para os doces olhos castanhos de dona deelma largou essa frase de efeito e na balada já mandou ver:



  1. Sabe aquela parceria caracu na Refinaria Abreu e Lima em Pernambuco em que eu prometi por US$ 3,6 bilhões? Pois é. esquece. Aquilo lá não é negócio mais nosso. Tô fora.


  2. Sabe aquela grana que a Petrobras gastou lá na minha ditadura (US$ 1,4 bilhão) fazendo prospecções para eventuais explorações futuras? TOmbém deixa prá lá.


  3. Aquelas verditas já colocadas por lá em portos, poços, estradas, etc? Derreteram.


  4. Mas manda de lá mais US$ 1 bilhão pr'eu fazer um estaleiro e garante aê os US$ 4 bilhões do BNDES para obras da Odebrecht e Andrade Gutierrez, empreiteiras favoritas dos petralhas.

Como a frase foi mais forte que o pedido, levou a grana.

Árvore Que Tem Raiz Profunda Não Seca

Não por ser oposição, mas por ser defensor ferrenho e competente da Constituição Federal, o Senador Demóstenes Torres (GO) mais uma vez se manifesta contra a maré de desmandos desse (des)governo de 8 anos e 5 meses que se instalou no Brasil.
Em entrevista ao Blog do Josias de Souza, Demóstenes Torres (GO) atribuiu o arquivamento das representações contra Antônio Palocci ao desejo do procurador-geral Roberto Gurgel de ser reconduzido ao cargo. “Isso ficou, na minha opinião, evidente. É uma pena. Muitas vezes, é mais honroso perder um cargo pela coragem do que ser reconduzido por uma aparente conivência. O procurador-geral, na minha opinião, se acovardou”.
Com prazo de validade vencendo em 22 de julho, Gugu depende de dona deelma para ser reconduzido para um novo período de dois anos na cadeirinha e, futuramente quem sabe, ser indicado para uma vaga no STJ ou STF.
Com carreira construída no Ministério Público, Demóstenes é um dos signatários das representações levadas ao arquivo pelo procurador e evidentemente ficou indignado com o posicionamento do mesmo. Na sequência, destaco alguns trechos da entrevista que poderá ser lida na íntegra no link indicado lá em cima.
Sobre o parecer do procurador: "Ele usou os mesmos argumentos do Palocci para, praticamente, absolver o ministro. É como se o Palocci tivesse escrito a decisão para ele. Todos os indícios, todo o contraditório que consta das representações foi desconsiderado. Os indícios são eloquentes. Há elementos de sobra para iniciar uma investigação. A decisão enfraquece o Ministério Público. Eu Vinha brigar na Constituinte para que o Ministério Público conquistasse sua autonomia. Conquistamos o que tanto queríamos. E agora o Ministério Público continua se comportando como se fosse um órgão do governo!"
Sobre a submissão do MP: "Ao agir como instituição de governo, o Ministério Público compromete a sobriedade que se espera dele. Submete-se a juízos políticos. Os indícios existem e a investigação não foi aberta. Amanhã, o que o procurador-geral não viu hoje no caso do Palocci, pode enxergar numa representação contra um senador ou um deputado de oposição acusado de enriquecimento ilícito. Essas coisas não podem ser subjetivas".
Sobre os desejos de Gurgel: "Por que o procurador-geral fragilizaria a instituição que ele próprio chefia? A decisão tem aparente relação com o desejo de recondução do procurador-geral ao cargo. Isso ficou, na minha opinião, evidente. É uma pena. Muitas vezes, é mais honroso perder um cargo pela coragem do que ser reconduzido por uma aparente conivência. O procurador-geral, na minha opinião, se acovardou".
Sobre coragem e investigagação: "Sou do Ministério Público. Sei que, com muito menos, se abre uma investigação. Investigação não é condenação de ninguém. É um dever de quem tem atribuições para isso abrir a apuração quando há elementos. E os elementos, no caso do Palocci, são abundantes. O país inteiro viu, a imprensa apresentou, nós formulamos as representações. Só o procurador-geral não viu".
Tratando de improbidade e crime: "O que caracteriza improbidade nem sempre leva ao delito penal. Por exemplo: deixar de cumprir um procedimento exigido em lei, como dar publicidade a um ato de governo, é improbidade administrativa, mas não é crime punível na esfera penal. Porém, quando há enriquecimento ilícito, praticamente em todos os casos, onde há improbidade também há crime. Peculato, concussão, tráfico de influência. Infelizmente, o procurador de primeiro grau enxergou elementos suficientes para agir e o procurador-geral não viu o que todo mundo vê".
Sobre a formação de uma CPI: "Não tenho ainda condições de avaliar como os meus colegas vão agir. Do ponto de vista moral, o Congresso tem a obrigação de fazer a investigação que o procurador-geral se recusou a fazer. Agora, só resta o Congresso, já que o Supremo não foi nem provocado para autorizar a abertura da investigação".
Também oriundo do Ministério Público, apesar de ser do PDT, partido da base alugada, o Senador Pedro Taques do Mato Grosso, também vem dando formas de que não será pau mandado do planalto. Pronuncia-se como constitucionalista e demonstra ter integridade até aqui. Nas redes sociais sempre se posiciona-se de maneira firme e crítica. Oxalá seja merecedor do sentimento que temos de que possa vir a ser uma voz da seriedade e hombridade que precisamos.

Tá Difícil de Explicar? Arquiva...

Para as pessoas de bem, havendo suspeita de qualquer irregularidade em um processo de todas as naturezas, chama-se a autoridade competente e manda investigar e apurar em detalhes, até pelo próprio respeito e integridade física e moral do investigado.

Não é assim que pensa o (des)governo atual do Brasil. Prá eles, se está difícil de explicar, arquiva e pronto. Mais uma vez foi o que aconteceu.

Toinho, enrolado até o talo na explicação de como manteve uma consultoria em assuntos financeiros, mesmo sendo médico sanitarista por formação, apenas pelos conhecimentos adquiridos nos 3 anos em que foi ministro da fazenda, um argumento insustentável, principalmente quando os resultados dessas "honestas consultorias" resultam em milhões e milhões de Reais (ou pelos menos até agora, apenas Reais)
Mas não foi assim que reciocinou o Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, que decidiu arquivar todas as representações que pediam abertura de inquérito simplesmente porque entendeu que "não existem indícios concretos da prática de crime nem justa causa para investigar o caso". CUMA? A indignação da sociedade não seria justa causa?
Embora com o pescoço no cutelo por estar acobertando o chuncho presumido, dona deelma ficou sabendo no fim da tarde e ganhou algumas horas prá "consultar" o EX sobre como fazer daqui prá frente.
Numa absoluta falta de óleo de peroba no mercado do DF, Gugu emitiu um relatório final de um monte de páginas, em que diz que a legislação penal "não tipifica como crime a incompatibilidade entre o patrimônio e a renda declarada", tratando dos AP's e garçoniere de Toinho. Disse ainda que tudo não passou de terrorismo da oposição que falou muito mas não apresentou documentos que demonstrem a prática de crime.
"Não é possível concluir pela presença de indício idôneo de que a renda havida pelo representado como parlamentar, ou por intermédio da Projeto, adveio da prática de delitos nem que tenha usado do mandato de deputado federal para beneficiar eventuais clientes de sua empresa perante a administração pública", afirmou Gurgel em sua manifestação.
"Não existindo indícios de que o fato noticiado configure infração penal, é dever do Ministério Público recusar a instauração do procedimento investigatório".
Pronto acabou...Pelo menos nessa instância. Pelo que decidiu Gugu, não há razão para que ocorra a quebra de sigilo de Toinho.
Claro que a pressão sobre noço gênio financeiro continua. Mas dessa parte ele escapou.
No Congresso, a CPI proposta pela oposição está ganhando força e já se tem até agora 20 das 27 assinaturas para que a comissão seja instalada no Senado. Hoje o senador Itamar Franco (PPS-MG), que está em tratamento em São Paulo depois de ser diagnosticado com leucemia, deverá assinar.
Façamos uma forcinha, saiamos da zona de conforto e mandemos uns e-mails e tuiters para os senadores para lembrar por eles que estamos de olho.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Mamulengo Dispensa Prêmio Nobel

Informações do Estado de São Paulo por Roberto Simon
Nesta próxima terça feira estará no Brasil a advogada iraniana e Prêmio Nobel da Paz Shirin Ebadi. Pelo que representa para o seu país e para o mundo a sua premiação, pela luta contra a ditadura dos ayatolás representada pelo neurótico e maníaco atômico Mahmoud Ahmadinejad, madame Ebadi deveria ser recebida pela primeira governanta eleita no Brasil machista e a segunda mulher mais votada das que já pisaram na superfície da terra.

Mas não... Dona deelma não vai receber a nobiliada porque desagrada ao EX e eterno amigão e admirador do apedrejamento e a senhora será recepcionada pelo açeçor para assuntos Ixternacionais, Marco Aurélio Garcia, o top top cultivador de tártaro.
"Se Dilma defende os direitos humanos e as mulheres, ela me receberá", insistiu a iraniana em entrevista ao Estado. O (des)governo brasileiro, porém, acredita que receber a ativista enviaria "a mensagem errada".
Com a sua curta e seletiva memória, dona deelma esqueceu que pregou na campanha uma mudança na diplomacia para os direitos humanos, criticando publicamente a abstenção do Itamaraty em uma resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU condenando o apedrejamento de mulheres no Irã. Deelma chegou a chamar de barbaridade a lapidação, posição reiterada em entrevista ao jornal Washington Post.
Em março, a governanta rompeu com o padrão de voto do governo Lula nas Nações Unidas e apoiou a criação de um relator especial para o Irã (sob críticas do ex-chanceler Celso Amorim - grandes merdas). Uma semana depois, Shirin foi convidada a um jantar na embaixada do Brasil em Genebra.
Oficialmente o presidente da república só recebe por obrigações protocolares chefes de estado e de governo e, excepcionalmente, ministros de estado em missões específicas delegadas por estes, mas deelma recebeu recentemente Shakira e o U2, e não poderia deixar de receber a advogada, conforme destacou seu representante no Brasil.

Shirin falará na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo e em uma audiência na Câmara dos Deputados. Ela terá ainda um almoço em Porto Alegre com a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, e com o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT). Em 2003, ela ganhou o Nobel da Paz por sua atuação em Teerã, mas, com a eleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, em 2005, o cerco a dissidentes iranianos fechou-se ainda mais e Shirin partiu para o exílio. Hoje ela vive entre a Grã-Bretanha, os EUA e o Canadá. Esta será a primeira vez de Shirin no Brasil.
Mas o mamulengo não vai querer desagradar seu criador, principalmente agora que está com um pepino de proporções gigantescas na mão como os casos de Toinho e seus AP's, Malddad e suas cartilhas, Ana de Amsterdã e seus aportes culturais, Temer e seus asseclas do PMDB e por aí vai; e precisa desesperadamente do nove dedos por perto prá controlar os mais afoitos, até do próprio PT.

Nossas boas vindas à premiada. Nosso país a recebe com muito orgulho, mesmo sem a presença de quem foi eleita prá isso e muitas coisas mais.

Biodigestor: Uma Boa Solução Termo-Ecológica

Informações do Portal G1

A combinação de engenharia criativa, necessidade legal ou temporal e instinto de preservação faz sempre muito bem à humanidade. É só ver os casos registrados na história. É o caso de Usinas de Compostagem e Tratamento de Lixo com aproveitamento para geração de energia.

Não há que se criar espectativas de que seja a panacéia e a solução para o fim do mundo, mas é um caminho de razoável possíbilidade de sucesso.

Lixo é um problema para todas as administrações municipais do mundo. No Brasil são produzidas cerca de 200 mil toneladas de resíduos por dia. Foi aprovada uma Lei Federal, vigorando desde 2010, que proíbe o funcionamento de lixões nas zonas urbanas a partir de 2014 e obriga as cidades a criarem aterros sanitários.
Tá, isso é muito legal, mas as grandes metrópoles não têm espaço para aterrar de forma adequada as toneladas de lixo geradas diariamente.
Uma boa saída é a implantação de usinas térmicas que usam lixo como fonte de gases combustíveis foi iniciado em caráter experimental há algum tempo na Europa e começa a ter os primeiros resultados positivos. A tecnologia prevê o tratamento e recuperação de energia do lixo orgânico, separar o que for reciclável e queimar o que não pode ser reaproveitado, transformando em luz elétrica.
Ainda existem muitas dúvidas sobre a adequada segurança de que não haverá danos à saúde ou ao meio ambiente, posto que persiste uma polêmica quanto à emissão de gases gerados a partir da queima dos resíduos, que por serem, em sua maioria, derivados de metano (causador de efeito estufa) ou gerarem dioxinas (cancerígenos) podem ter efeito colateral devastador. Seria portanto necessário o desenvolvimento e instalação de um grande aparato de filtros e catalizadores. Outro problema seria a acomodação no tratamento dos resíduos e a diminuição na reciclagem, já que tudo pode ser queimado.
Vem sempre à tona o fator CUSTO. A diferença de preço por tonelada entre o atual processo e o aproveitamento energético ainda é absurda e as cidades não teriam recursos para pagar por isso. Estima-se que o processamento atual do lixo custe alguma coisa como R$ 60,00 por tonelada enquanto a operação da usina ficaria em torno de R$ 210,00.
Potencialmente, cidades com população próxima ou acima de 1 milhão de habitantes seriam propícias para receber uma usina térmica baseada no lixo, e algumas cidades do interior de São paulo já receberam licenças provisórias para desenvolver os projetos. Em Santo André discute-se com a população a instalação de um complexo e São José dos Campos, no interior paulista, abriu para consulta pública o pré-edital do projeto. Existem ainda estudos avançados para a instalação de uma usina no litoral.
Os complexos brasileiros funcionariam com técnicas mistas, ou seja, haveria geração de energia pelo lixo orgânico e pela queima de resíduos contaminados. A implementação seria por meio de uma parceria público-privada.
O lixo orgânico, considerado úmido, passaria por um processo chamado Digestão Anaeróbica (parecido com a compostagem), em que o gás metano liberado na decomposição seria transformado em energia por queima. Para a outra parte, a incineração, seria o destino dos resíduos que não podem ser reciclados.
Veja no infográfico a seguir um diagrama esquemático do funcionamento das duas etapas.
Na figura que abre este post, apresentamos uma solução muito boa para o fornecimento de combustível para essas usinas. No estágio atual do (des)governo dos petralhas e de seus asseclas alugados, o suprimento do estoque de produtos destacado na carroceria do caminhão-compactador seria quase inesgotável, pela situação de impunidade que cerca a gang.

Cabe a nós trabalharmos para queimar esse mal e fazê-lo tornar-se um bem para a sociedade.

domingo, 5 de junho de 2011

Todo Castigo Prá Corno É Pouco



O ditado popular é antigo mas se renova sempre que um portador contumaz levanta suas bandeiras.

O sempre afeto a situações ridículas senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que a população paulista insiste em conduzir até o seu 20º ano de mandato, aproveitou semana passada que a ex-mulher Marta Suplicy presidia a sessão do Senado sem estar ainda naquele seu ataque histérico-ditatorial; para aproveitar seu discurso sobre a farsa do Brasil Sem Miséria e o aniversário de 70 anos de Bob Dylan e usar a tribuna para anunciar a turnê dos filhos músicos por “45 cidades dos EUA” . Grandes merdas, mas...Sigamos

Com um traje elegantérrimo em tom pérola, com um xale rosa chá sobre os ombros, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) ficou roxa de vergonha quando o ex-marido, fez a menção especial aos seus filhos.

O vídeo de um trecho está ai em baixo.
Mas destaco:
- Senhora presidente, vou tratar agora de um assunto pessoal da nossa família. Peço uma menção especial aos nossos filhos, convidados para cantar em 45 cidades dos Estados Unidos – discursou Suplicy.
Sem acreditar no que ouvia, Marta Suplicy mandou o ex-marido encerrar o discurso.
- Senhor senador, encerre o seu discurso! – pediu Marta, sem fazer qualquer comentário sobre a homenagem aos filhos pedida por Eduardo.

Sabiamente esse bizonho episódio não foui registrado nas notas taquigráficas. De qualquer forma, Riba sarnei ainda poderia tê-lo retirado com sua borracha determinadora da história.

Ouça sem moderação.









Sou A Favor Do Casamento Gay

Sou totalmente a favor do casamento gay entre os políticos. E tudo mais que venha a contribuir para não se reproduzirem... é bom para o Brasil.

O Famoso Féla...

Vejam que idéia essa criatura teve. Só matando...



video