Read In Your Own Language

sábado, 10 de setembro de 2011

A Matemática é de Uma Beleza Extraordinária. Podem Acreditar

As equações de análise pendular são terrivelmente complicadas. Seja na sua forma paramétrica...
Seja em coordenadas polares...
Seja em coordenadas cartesianas...

São as chamadas Curvas Lemniscatas de Bernoulli. Jakob Bernoulli um louco suiço que em 1694 concebeu uma modificação da elipse (o lugar geométrico de pontos para qual a soma das distâncias para cada um de dois focos fixos é uma constante) transformando-a na Oval de Cassini, que por sua vez, é o lugar de pontos para os quais o produto destas distâncias é constante. No caso onde a curva atravessa o ponto no meio caminho entre os focos, a oval é exatamente Lemniscata de Bernoulli, que em latim significa "faixa suspensa" e pode facilmente ser obtida como o inverso geométrico de uma hipérbole tendo o círculo de inversão apoiado no centro da hipérbole (bissetriz de seus dois focos). Extraordinário e simplíssimo não é mesmo?
Tá...E prá serve essa poha? Para os estudo de escoamento de fluidos líquidos ou gasosos em orifícios (sim, inclusive estes que você está pensando), mas principalmente na avaliação do desempenho de grandes barragens e de grandes edifícios no escoamento das águas e ventos furiosos. Tá sem graça? Então veja em imagens as ondas pendulares. Não há truques fotográficos. Apenas a aplicação da física e matemática pendulares.


video

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Cordelando 18: Aniversário do Netinho

Vá contando aí comigo,
Feriado dia sete.
Imprensa segunda e terça,
Com o Brasil ninguém compete.
Mas prá não ficar no meio,
Sem mandar o meu afeto,
Sexta feira também tem
O aniversário do neto.

Gabriel é o nome dele,
Criatura bonitinha.
Filho de seu Rafael,
Junto com dona Paulinha.
Vai fazer primeiro ano,
Uma data que acrescenta,
Um bocado de sorriso,
Na cara da Presidenta.

Não consegui descobrir,
O motivo da festinha.
Posso apenas sugerir,
Uma porção de coisinha.
Nada de coisa infantil,
Que a criança tem valor.
Tem que ter uma vassoura,
Que a vozinha não usou.
Naquela tal de faxina,
Que acabou e nem começou.

Posso ver a criançada,
Segurando o escovão.
Cada qual com uma babá,
De rodo e balde na mão.
No palácio da Alvorada,
Esfregando sem parar,
A sujeira dos convivas,
Que por certo vão prá lá.

Imagino Merdandante,
Com aquele bigodão.
Mastigando marshmallow,
A baba pingando no chão.
Bem do lado da Ideli,
Com saquinho de pipoca.
Um copo de guaraná,
E gritando ninguém me toca.

Vai prá lá o Ribamar,
Marco Maia aquele escravo.
Dirceuzinho vem depois,
Que fizerem desagravo.
Narizinho e Bernardão,
Não podem deixar de estar.
No meio da multidão,
Se o jatinho não atrasar.

Na hora do parabéns,
E a velinha apagar.
Vovó chega bem faceira,
E ameaça jogar.
A faca de cortar bolo,
Em quem não for ajudar.
A batendo as palminhas,
A festinha alegrar.

A velinha apagando,
Fica sempre uma brasinha.
Que sabe não se aproveita,
Prá fazer uma fogueirinha.
Prá queimar de uma vez,
Sem deixar ninguém de lado.
Todo aquele que não presta,
É ladrão ou é safado.

Cordelando 19: Passeatas Contra a Corrupção



No dia que se celebra,
A independência da nação.
Viu-se que tem muita gente,
Puto com a corrupção.
Fizeram uns manifestos,
Como há tempos já se viu.
O povo todo de preto,
Pelas ruas do Brasil.

Não foi grande a multidão,
Como teve no passado,
Foram mais de 2 milhões,
Que em São Paulo foi juntado.
O importante é que houve,
Grande movimentação.
Saindo detrás do teclado,
E fazendo um barulhão.

Lá pras bandas de Brasília,
Um coisa curiosa.
De um lado do eixão,
A multidão furiosa.
Separando o povão,
Prá não serem perturbado.
A dentuça e os babão,
Bem atrás dum alambrado.

Uns subindo outros descendo,
Na avenida que é colosso.
A polícia observando,
Prá não haver alvoroço.
Mas o povo tava ordeiro,
Tudo muito concentrado.
Em mostrar aos governantes,
Todo mundo indignado.

O povo já não é besta,
Abaixo a corrupção.
Na cadeia os ladrões,
Imposto num güento mais não.
Isso tudo tava escrito,
Nos cartazes e na faixa.
Formando a multidão,
Classe alta e classe baixa.

Nêgo tava mascarado,
Ou com a cara pintada.
Narizinho de palhaço,
Sem fazer a palhaçada.
Mostrando que não agüenta,
Assistir telejornal,
Com safado se fazendo,
De inocente e de normal.

Bonito que tenham feito,
Mesmo que com pouca gente.
O que não pode é deixar,
Se fazer de inocente.
Esse bando de safado,
Que pensa que manda na gente.

Motivo não vai faltar,
Prá repetir o evento.
A corja que tá mandando,
Cria um a todo tempo.
Vamos todos exaltar,
Ao que lá compareceram,
Mostrando que nossos sonhos,
Estão vivos; Não morreram.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Soja Pode Deixar de Ser Nossa Riqueza



Uma das nossas commodities mais fortes é a soja. O explendor das plantações industrializadas, principalmente no Mato Grosso, vem elevando sistematicamente as receitas de nossas exportações. Um dos magnatas surgidos com o agronegócio no centro-oeste é Blairo Maggi, o atual rei da soja entre outros produtos. Grande empresário e atual senador, Maggi é amigão do nove dedos, mantendo com ele estreito relacionamento.

Na esteira da amizade fraterna, o EX vem dando uma força bem grande à internacionalização dos negócios do chapa. A exemplo do que faz com as empreiteiras generosas que lhe emprestam jatinhos, a Odebrechet e OAS, por exemplo, quando finge palestrar para convencer governos a contrata obras com elas e financiamentos camaradas com o BNDES, o cotó está articulando para que o grupo de Blairo negocie terras, muuuuuuitas terras, para a implantação de arrojados projetos agrícolas em Moçambique, um dos países mais pobres do continente africano.

Caridade? Beneficência? Ação Humanitária? Poha nenhuma. Isso não faz parte do repertório dele. Simples negociatas.

E tem mais...Está quase certo que a Embrapa garantirá "apoio técnico" de grátis ao país africano. HEIN??? Seu "nome de sopa" não tem lá seus departamentos de desenvolvimento tecnológico não é?

Foi divulgado pelo Jornal do Brasil que, no dia 1º, pelo menos um técnico da Embrapa voltou de Moçambique, onde estava tratando de "acordos de cooperação técnica", segundo a diretoria da gloriosa e pujante empresa estatal, transformada a fórceps em consultora de particulares estrangeiros.

Se já não bastasse só pela transferência de tecnologia a terceiros de natureza privada, cabe o destaque que Moçambique é estratégico para o dono da soja, porque fica a meio caminho para a China, grande consumidor do produto exportado pelo Brasil


Portanto, além da falcatrua, tráfico de influência, uso de propriedade pública em benefício privado e particular, troca de favores e mais um monte de crimes preistos no Código Penal, o nove dedos ainda comete crime de lesa pátria, ao criar um concorrente em condições mais vantajosas que aquelas que nós mesmos temos.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Louis Moreau Gottschalk: Amava Mais Nosso Hino Que Muitos Brasileiros

Filho de um negociante judeu de Londres e de uma haitiana creola, Gottschalk nasceu e foi criado em Nova Orleans onde foi exposto a uma grande variedade de influências musicais. Em 1865 ele foi forçado a deixar os Estados Unidos como resultado de um caso escandaloso com uma estudante do seminário feminino de Oakland. Escolheu viajar novamente para o Brasil, onde continuou a dar muitos concertos. As peças étnicas e de caráter nacionalista eram consideradas suas melhores composições, sendo uma das mais conhecidas a "Grande Fantasia Triunfal Sobre o Hino Nacional Brasileiro", uma série de variações sobre a música de de Francisco Manuel da Silva. Esta peça foi utilizada na transmissão do cortejo fúnebre de Tancredo Neves em 1985. Ouçam que maravilha.




Carta Aberta às Autoridades, por Marcos Pontes

Reproduzido na íntegra, inclusive a imagem de abertura, do blog Esculacho e Simpatia, do meu amigo Marcos Pontes. Ratifico o convite dele para que façam a maior divulgação possível: em seus blogs, orkut, twitter, facebook e mailing. Cabe a nós por essa queixa e alerta que também é nossa, nas mãos das autoridades desse país. A data de hoje nos chama a esse grito de independência. Ajamos...


Convido os nobres leitores a copiarem em seus blogs, enviarem por e-mail aos políticos que conhecem, colarem em seus blogs, enfim, levar ao conhecimento de nossas autoridades. Estejam à vontade para melhorarem o texto, algo que sei que são capazes, só lhes resta desejarem.
Cada um de nós pode ajudar com sua forma de fazer pressão e mostrar às nossas autoridades que estamos cansando de tantos desmandos e de sermos ignorados fora dos períodos eleitorais.

Senhores políticos,
Teoricamente vivemos numa democracia representativa, de fato, eleições não fazem uma democracia, a partir do momento vossas excelências não nos representam de fato, salvo raríssimas exceções.
Teoricamente vivemos num sistema republicano presidencialista, mas uma república faz-se com liberdade, igualdade e fraternidade de fato e não apenas no papel. A partir do momento em que vossas excelências elevam-se ao patamar de uma classe privilegiada, a igualdade deixa de existir; se colocam os interesses particulares, corporativistas e partidários acima dos interesses públicos, a fraternidade torna-se apenas um conceito; quando vossas excelências ao menos ventilam a possibilidade de selecionar as informações que devem ser veiculados pelos órgãos de comunicação de massa, limitar o uso de internet pelos cidadãos, a liberdade fica ferida.
Não contem, excelências com a ignorância coletiva e o esquecimento dos eleitores brasileiros. A cada dia cresce o número de cidadãos desgostosos com os rumos dados ao país, matando-se a idéia de pátria, condenando as classes privadas de poder aquisitivo e poder do conhecimento, condenando populações inteiras à ignorância pela péssima qualidade de nossas escolas públicas, matando-se milhares por ano pela falta de equipamentos, profissionais e boa vontade dos nossos agentes de saúde. Este desgosto coloca a classe política no front de uma batalha social que prepara-se aos poucos, paulatina e lentamente. Não subestimem nossa capacidade de união, organização e poder de reivindicações.
Não os ameaço, excelências, apenas os alerto. Não estranhem se um dia as praças encherem-se de brasileiros desgastados em sua dignidade e paciência e não adianta, insisto, em arrumar ferramentas ilegais para nos calar. Saiam às ruas sem seus cabos eleitorais e não tardarão a perceber que a panela de pressão está aquecida e cada brasileiro tem muitas reclamações sobre suas atuações. Não se surpreendam se vossas excelências passarem a receber dedos na cara daqueles a quem sempre trataram apenas como mais um voto na urna eletrônica.
Mudem suas práticas, respeitem àqueles que pagam extorsivos impostos desejando apenas serem tratados como homens, mulheres, jovens e crianças que merecem receber em troca de seu suado dinheiro depositado nos cofres do Estado serviços de qualidade e respeito das instituições.
Não continuem tratando a segurança pública como uma ferramenta eleitoreira. Ao permitirem que o banditismo, seja do ladrão de galinhas, seja do ladrão do erário, cresça com punições amenas, quando elas ocorrem, estão mandando a mensagem que ser bandido vale a pena, que nada ocorrerá a quem desrespeitar a lei e este desrespeito pode bater às suas portas pelas mãos e pela insatisfação daqueles que hoje se sentem agredidos pela sua inépcia.
Parem um pouco de olhar apenas para as caras dissimuladas de seus líderes e olhem nos olhos de seus patrões: o povo que lhes paga os salários, as mordomias, as benesses, as viagens de primeira classe, as diárias em viagens internacionais, os hotéis cinco estrelas, os carros luxuosos, os jantares nababescos, as moradias gratuitas e confortáveis, os planos de saúde ilimitados e extensivos às suas famílias. Na surdina, pelos becos, nos bares ou nas portas da peixaria, já se fala que todos merecemos isso. A tal igualdade de que fala a Constituição Federal, aquela mesma Carta Magna que nossos dirigentes, vossas excelências, desrespeitam como se mandassem cada patrício calar-se e resignar-se.
Respeitem-nos, excelências, antes que percamos de vez o respeito por vossas excelências. Respeitem esta pátria rica que empobrece diante de tanto desvio de verbas, leis casuísticas, desvios de verbas, de princípios éticos e morais, dos furtos impunes à coisa pública.
Somos pacíficos, mas estamos perdendo nossa paciência o que pode nos levar a perder a passividade e cabe aos senhores evitarem traumas sociais. Não a oposição armada que nossos mandatários pregaram um dia e que hoje acham antidemocrática, mas antes da terra assentar-se, excelências, há o terremoto. Este abalo cabe a vossas excelências evitarem.
Não somos poucos e nosso número aumenta na mesma proporção que cresce nossa indignação.
Se de fato vossas excelências nos representam, algo em que não cremos mais, façam de suas atividades aquilo que esperamos que façam: justiça social, segurança jurídica, responsabilidade, eficiência, bom senso, honestidade. Tudo em nome do bem comum e não dos bens seus e dos seus.
Não se acovardem, excelências, mostrem que são homens e mulheres com algum resquício de consciência e levem este nosso sofrido Brasil ao rumo seguro do crescimento calcado na qualidade dos serviços públicos; ressuscitem os princípios republicanos de fato, além do discurso fácil e ensaiado; pensem na honra de seus filhos que devem sofrer por verem seus pais acusados de bandidos na escola, no clube, na lanchonete, dêem-lhe motivos para orgulharem-se de vossas excelências; esforcem-se para entrarem na história como aqueles que colocaram o país na linha e não como coniventes com os bandidos que pouco ligam para os rumos da nação, antes vêem seus egos, seus bolsos e o enriquecimento sub-reptícios dos seus pares.
Estamos vivos, excelências, e inchando de raiva e indignação, mas não precisam temer, desde que não nos dêem motivos, embora até o momento motivos não nos faltem e aumentam a cada dia.
As páginas políticas dos jornais e revistas se confundem com as páginas policiais e é como bandidos ou cúmplices que querem ser lembrados no futuro? Não cabe a nós mudarmos o futuro, mas vossas excelências, eleitas para nos representar. Pois representem, mas com a conduta que desejamos e não com a que têm nos mostrado.

©Marcos Pontes

Verás Que Um Filho Teu não Foje à Luta, por Adriano Dal Molin





Talvez, se amássemos nossa pátria verde e amarela, e levássemos a sério nosso Hino, o país não sofreria com tamanho descalabro...

BRADO retumbante deste povo heróico, trabalhador, honesto, mesmerizado por tantos escândalos de corrupção e desmandos?
Até a LIBERDADE, antes um sol a brilhar no céu da pátria, agora é escamoteada por traficantes, por bandidos comuns, por criminosos de colarinho branco.
A IGUALDADE, conquistada com braço forte, agora é cotada, demarcada, categorizada sindicalmente no melhor estilo “dividir para conquistar”.
Amada e idolatrada não é a PÁTRIA, mas sim a verba, a emenda, o aditivo, a comissão, a porcentagem, a taxa de sucesso, a assessoria privada rifada por servidores públicos.
O SONHO rasteja esvaziado de amor e esperança entre tantos prantos: de menores abandonados, de doentes esquecidos, de idosos desprezados, de pais e mães desempregados.
Nem a sagrada imagem do CRUZEIRO é tolerada! Transparência? Não: a imundice prospera em negócios escusos, celebrado com danças de impunidade entre corruptos risonhos.
O GIGANTE, que há muito poderia liderar um novo mundo, um colosso da indústria, um gigante da excelência, consome-se até exaurir seus metais, seu solo, seus frutos até prostrar-se eternamente.
De GARRIDO, restou pouco: nossos jovens, ao invés de amores, são desfigurados pelas drogas; a vida se perde hediondamente na criminalidade; de belos, nem versos, nem flores.
OSTENTAÇÃO, só de bravatas: inauguramos pedras fundamentais, alardeamos feitos inexistentes, propagandeamos uma paz cada vez mais futura e uma glória cada dia mais pretérita.
NÃO! Não podemos mais ignorar tanta obscenidade! BASTA de corrupção! CHEGA de mentiras, engodos e ilusões! Como filhos e filhas amparando quem nos deu a vida, honremos nossa pátria!

“Mas, se ergues da justiça a clava forte, verás que um filho teu não foge à luta nem teme, quem te adora, a própria morte. Terra adorada! Entre outras mil, és tu, Brasil, Ó Pátria amada! Dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria amada, Brasil!"
Texto de Adriano Dal Molin, 30 anos, paranaense radicado em Porto da Folha-SE, formando do curso de direito da UNIR, funcionário licenciado do Banco do Brasil e atualmente escrevente de Cartório de Registros Públicos. Sigam no twitter @adalmolin

Repito este vídeo aqui pois além de espetacular, tem tudo a haver com a data de hoje.
















terça-feira, 6 de setembro de 2011

Novo Imposto para a Saúde



Demolindo Tótem Prá Celebrar?

Esse silvícola semi-aculturado tem muita dificuldade de assimilar os costumes dos brancos. Penso eu que, quando erigimos um tótem, queremos celebrar um marco ou um evento histórico, ou ainda homenagear alguma personalidade. Tupã por exemplo, ou Iara, a quem prefiro. E que seja uma escultura que dura para a eternidade.

Mas os (des)governantes locais parecem entender diferente.
Na imagem acima vemos rompedores hidráulicos destruindo uma praça construída sobre um igarapé (pequeno riacho) na avenida Brasil, com um tótem metálico que representa um ícone da ponte sobre o Rio Negro; aquela de R$ 1,3 bilhão.
Acontece que essa estupidez, embora belo e simbólico, foi construído exatamente no fim da grande avenida que se estende como acesso à ponte na margem esquerda (lado Manaus), como indicamos na imagem abaixo, e onde deveria haver uma ponte como parte do complexo de alças e viadutos que complementarão o sistema viário no local. Alías, a ponte já existia e deveria ser alargada para compatibilizar com o fluxo muito maior que passaria a ter.
Quando começou a obra, com estaqueamentos e montagem das estruturas metálicas que se vê na foto, todos elogiavam a iniciativa pois a obra da ponte ainda estava longe de acabar. Nem de tempo de se animar e surgir o monstrengo, que custou a bagatela de R$ 5,5 milhões e agora vai "Pro Chom".O monumento e a praça foram inaugurados no dia 31 de março do ano passado na maratona de inaugurações feitas pelo ex-governador Eduardo Braga, em campanha milionária junto com a hoje senadora Vanessa Grazziotin para derrotar Arthur Virgílio, às vésperas da desincompatibilização de Braga, que deixou o governo para disputar uma vaga no senado.
A Secretaria da Região Metropolitana de Manaus (SRMM) é responsável pelas obras e quando o monumento estava sendo construído, chegou a dizer que não teve custo e que foi um presente da construtora da ponte para a cidade e que não haveria interferência no sistema de trânsito local. O depoimento do secretário foi feijo junto com o Curupira e o Mapinguarí, lendas amazônicas que referendaram os fatos.
Em maio pp, o Ministério Público Estadual abriu investigação para apurar o montante gasto na construção da praça e do monumento, por denúncia feita pelo deputado estadual Marcelo Ramos depois de matérias publicadas na imprensa local
Em 2008, um Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) foi elaborado e apontou quais obras seriam necessárias para garantir a acessibilidade ao local e o tráfego de veículos. O estudo, na época, sugeriu que fossem construídos três viadutos em vias que dão acesso à estrada da Estanave. Um deles seria exatamente no local em que foi construído a praça do tótem. A estrutura, com mão-dupla, passaria por terras do Exército, e levaria à estrada da Ponta Negra.
Contaria com alças laterais para permitir a entrada e saída da estrada da Estanave pela avenida Brasil, assim como mudanças também na rotatória no encontro da avenida Brasil com a estrada da Ponta Negra e no retorno em frente à sede do Governo do Estado, estas em construção, embora bem atrasadas.
A entrega da ponte sobre o rio Negro vai provocar o aumento do fluxo de carros, principalmente, na avenida Brasil e na estrada da Ponta Negra. Um dos principais impactos será provocado pelo movimento de veículos pesados. Caminhões e carretas que transportam a produção de tijolos das cerâmicas de Iranduba vão se deslocar do porto de São Raimundo, também na Zona Oeste, para a estrada da Estanave e proximidades.
O MPE agora terá mais um reforço em seu trabalho pois literamnete jogaram dinheiro fora. Pelo menos que seja devolvido aos cofres públicos, de preferência com os mandatos de quem abusou do poder para se eleger e aos outros.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Mensalão: Min. Joaquim Barbosa Voltou da Licença



Cidadão:

Erga-se num momento de cidadania, ajude a inculcar aos nossos concidadãos de que as leis devem ser cumpridas ao rigor do tempo sem o qual não haverá justiça; pois tardia apenas serve aos usurpadores da moral e da ética na coisa pública. Honrem a verdade, atuando no presente como se um só estado temporal unisse em única voz o passado honorificando in memoriam aos nossos ascendentes e ao futuro desejado aos nossos descentes.
Abdique por alguns instantes da nacionalidade esmorecida e indiferente, e proteste em poucas e diretas palavras aos Ministros do STF exigindo a justiça dos homens, pois a de Deus é infalível e será providencial. É hora das responsabilidades cívicas, que hão de acordar esta nação da pérfida mansidão e apatia diante de tantos descalabros morais a que se vítima por ser indolente.
O "mensalão" encontra-se nas mãos do Ministro Joaquim Barbosa (STF), e pelo qual a nação aguarda parecer antes que prescrevam as acusações por formação de quadrilha ainda no corrente mês. Trata-se do pior e mais nocivo estilhaço da história política brasileira. É primordial e categórico registro que sintetiza o legado de Luiz Inácio Lula da Silva - "um atentado sem iguais precedentes à democracia brasileira", como colocado pelo Procurador Geral da República. O governo Lula da Silva alienou os incautos; revendeu a uma classe social ascendente o consumismo desvairado através da oferta de crédito desatinado e que agora se afoga em dívidas; assim, de fato enriqueceu os rentistas e especuladores. Legou a quem o sucedesse, e a péssimo exemplo dos jovens, a pior e mais espúria conformidade político-fisiológica que governou e ainda governa esta nação.
Cidadão: haja e proteste contra a moral apedeuta que acoberta o prevaricador, o concussionário e toda corruptela política aparelhada no Estado. Sem tua ação não há como execrar da vida pública o negocismo, e a derradeira prostituição política.
Proteste, envie um e-mail ao STF e expresse seu sentimento pela sordidez da impunibilidade e da ilusória e soi-disant justiça tardia que se pratica no Brasil. - gabminjoaquim@stf.gov.br; centraldeatendimento@stf.jus.br .
COMENTO: Recebi o artigo por e-mail. Diz-se que este texto foi uma carta de Oswaldo Colombo Filho publicada em 07/08/2011 no Estado de São Paulo. Não consegui localizá-la no site do jornal. Se o texto for dele, louvor e parabéns. Se não for, fica como sendo. O fato é que concordo, ensosso e solicito a todos que tomem a ação sugerida por ele.

domingo, 4 de setembro de 2011

Dando Nome Aos Bois, Por Chumbo Grosso



Recebi esse artigo de meu amigo Chumbo Grosso, assim como eu, um ferrenho defensor do #EuVotoDistrital



O Brasil, apesar de multipartidarista na maior parte do tempo, sempre praticou o que se pode chamar de “bipartidarismo prático”, o que na nossa alquimia política vem a ser a amalgamação das múltiplas siglas, sem ou com pouquíssimo ideário, ao redor do partido no poder, que por sua vez é liderado pelo “ídolo entronizado”. O que em outras palavras pode ser expresso como: “la ideologia partidária comun,... ES ÉL”.
Sempre foi assim a nossa história político-partidária e basta retroceder apenas até à ascensão de Getúlio Vargas ao poder na década de 30. Oitenta anos depois, “c’est la même chose,... mérde ”.
É evidente, que cada “ídolo entronizado” seguia sua “ideologia particular” e dela faziam defesa incandescida, o que acabava por rotulá-lo e ao conseqüente partido dessa conjunção, nascido. Ou seja, “um líder sempre virou um partido”.
Em tempos mais recentes ocorreram dois “abortos” pelos nascimentos de PSDB e PT, monopolistas do eleitorado de esquerda do “rosa - bebe de centro-esquerda” até “a púrpura da extrema esquerda”.
Creio, particularmente, que tenha havido um “acordo secreto” para evitar que “outro aventureiro lançasse mão da causa”. Contudo, como iconoclastia é mais fácil que criar religiões e uma exige “voluntarismo” e a outra “fé” os “intelectuais dos dois lados” acabaram na “guilhotina política” do pragmatismo. Política não é planejamento. É rapidez de reação e acomodação.
Outra característica é que apenas os dois têm “líderes nacionais”, que vão à arena montar o “touro”, enquanto os demais quando muito apenas distraem o “touro”, quando o “peão” está em risco, para o “bem” e para o “mal”... Ainda que ambos tenham nascido de um parto mental coletivo acabaram por adotar um “peão símbolo”: LULA pelo PT e FHC pelo PSDB e a eles entregou-se a “aura partidária”.
Assim vão morrer, como morreram PTB, PSD, UDN no passado e mais perto do ocaso encontra-se o PSDB pelos 80 anos de FHC contrapostos aos 66 anos de LULA. De qualquer forma, mantida a atual “arregimentação partidária” no Brasil, é assim que continuará o “universo político brasileiro” a renovar-se pelo aparecimento de SUPER NOVAS e conseqüente morte das ESTRELAS CADENTES.
Bem, posto o enunciado vamos à análise por dissecação dos principais “paridos políticos” brasileiros. Não é erro ortográfico. Eu quis dizer... “paridos”:

PT – Patrimonialistas ex-Trabalhadores
Parido pelo casamento da intelectualidade “Uspiana de Esquerda” e classe média paulistana adotou alguns extremistas revolucionários e espertamente uma “base sindicalista” autonomeando-se “dos Trabalhadores”. Este “último agregado” revelou-se o diferencial, pois que o carisma na comunicação às massas, ferramenta indispensável nas mobilizações sindicais, “trouxe de volta” a Esperança, perdida desde os tempos de Getúlio e Jânio, além da disciplina na perseguição dos objetivos. Conseguiu assim tornar-se efetivamente no “único Partido de abrangência nacional”, apesar de ser na origem um “partido exclusivamente urbano” do Sudeste.
O apelo do “trabalhador no Poder” associado à crítica ácida às práticas dos “poderosos históricos” não convenceu o eleitor por 3 vezes, mas ao impingir ao “irmão PSDB”, empurrando-o para à Direita, a pecha de “reacionário neo-liberal (???)”, colocou-se como a única opção válida pelas Reformas mais à Esquerda, pregadas pela “social democracia original”. Por isso que com muita competência assenhorou-se de “todas as reformas social democráticas” que tinha feito... o PSDB.
No Poder, bem no poder deixo a cada um em particular concluir com suas opiniões.

PSDB – Pensadores do Sul Desenvolvido e Basta
Gerado pela “elite pensante do PMDB” e o outro lado da “intelectualidade de Esquerda Uspiana”, graças à participação de destaque nas “Diretas Já” apresentou-se como uma opção da “social-democracia da terceira via”, que então era dominante nos Governos Europeus, faltando-lhe, contudo o essencial: “povo”.
A falta desse componente essencial, sempre julgado desnecessário pelas “elites pensantes ingênuas”, fez com que os maus resultados econômicos do período 1999/2002 diluísse suas bases e quadros. Nascido “urbano dos estados mais ricos” não conseguiu expandir-se e tornar-se representativo hegemonicamente.
O risco maior que corre a Democracia Brasileira é a sua extinção, visto que ainda se constitui no único partido que tem um “Projeto de Nação”, pois ainda consegue a despeito dos matizes ideológicos internos tão diversos, manter a unidade e capacidade de “pensar uma Nação”.

PMDB - Patriotas Mercadores da Democracia de Boquinhas
Constituído originalmente por “políticos da Oposição ao Regime Militar”, mas devidamente custodiados para que não exagerassem na “democracia”, pelo seu gigantismo e história e de acordo com a definição de um deputado ao CQC desta semana “é o partido onde ninguém manda ou obedece e cada um faz o que bem entende”.
É o protótipo da “Amélia Politizada”, essencial à subsistência do casamento ao aparecer para a sociedade em posição submissa, mas que exigente de “presentes caros” para enfrentar o desgaste da “realidade diária” e “fechar os olhos” às peraltices de seu parceiros, graças a sua “filosofia de casa de tolerância”.
Por ser o mais velho dos três e com uma “base ideológica do tipo mexidinho”, pois a parte mais ativa debandou principalmente para PT e PSDB, especializou-se no “controle doméstico”, sendo o detentor da maioria das prefeituras, governos estaduais, Câmaras e Assembléias Legislativas e Senado.
Pratica a “poligamia política” e por isso é indispensável para a sustentação de “qualquer modalidade de Governo desde a Extrema Esquerda até a Extrema Direita”.

Os demais partidos abaixo são “estrelas anãs”, tendo uns alinhamento ideológico e outros absolutamente pragmático a “quem estiver por cima:

PSOL – Patriotas Sindicalistas Outrora Lulistas
PSTU – Párias Sindicalistas e Tarados Utópicos
PSB – Patriotas Sócio-Riquinhos da Boa-Viagem
PPS – Patriotas Pernambucanos Sensaborões
PP – Patriotas Prestativos
PR – Patriotas Remanejáveis
DEM – Direitistas Equivocados e Maltrapilhos
PDS – Patriotas Dormitório do Serra
PDT – Párias Deserdados do Trabalhismo
PTB – Patriotas Trabalhadores de Bastidores

Só Pode Ser Escárnio

Essa imagem me dá nojo. Se alguém se interessar, tem a entrevista desse féla na Folha de São Paulo. Aqui, eu não publico.

Todo baixinho É Invocado

Vê se pode uma criaturinha dessa? Uma coisa é certa: tem coragem bagarai.

Utilidade Pública: Os Símbolos da Pedofilia





Importante: divulgar e mostrar a crianças e adolescentes. Denuncie os símbolos da pedofilia!
O FBI produziu um relatório em Janeiro sobre pedofilia. Nele estão colocados uma série de símbolos usados pelos pedófilos para se identificarem. Os símbolos são sempre compostos pela união de 2 semelhantes, um dentro do outro. A forma maior identifica o adulto, a menor a criança. A diferença de tamanho entre elas demonstra a preferência por crianças maiores ou menores. Uma nefasta e pervertida analogia.
Homens são triângulos, mulheres corações. Os símbolos são encontrados em sites, moedas, jóias (anéis, pingentes...) entre outros objectos.
Os triângulos representam homens que preferem meninos (o detalhe cruel é o triângulo mais fino, que representa homens que gostam de meninos bem pequenos); o coração são homens (ou mulheres) que gostam de meninas e a borboleta são aqueles que gostam de ambos.

Existe um requinte de crueldade, pois esses seres hediondos fazem questão de se exibir em código para outros, fazendo desses símbolos bijuterias, moedas, troféus, adesivos e o que mais se queira. Infelizmente, é o design gráfico ao serviço do mal.
SE VIR EM ALGUM LADO , DENUNCIE!!!