Read In Your Own Language

sábado, 23 de julho de 2011

A Diarista Do Planalto e o Velho Populismo

Transcrito In Verbis do Veneno Veludo
O embrólio do Ministério dos Transportes está rendendo à dona presidente. Além do acréscimo naquela listinha de 28 medicamentos que usa, de mais alguns anti-ansiolíticos para o dia, e alguns calmantes para dormir, à noite, a herdeira do desgoverno das Trevas fatura como e o quanto pode com o título de Faxineira, que a imprensa genuflexa comprou de graça - e tem adorado propagar.
Mas tem mais lixo nessas terras morenas de Tupinicópolis. Pois o país demencial que o PT erigiu no lugar do Brasil, corrupção é posto, quase obrigatório. A bola da vez é a ANP, Agência Nacional do Petróleo, fatiada pelo PT num daqueles esquemas de aparelhamento partidário, comandada pelo aliadão-de-primeira-hora, o PCdoB, dos neo-comunistas de Rolex destepais. A revista Época dessa semana traz um impressionante relato, capitaneado pelos jornalistas Diego Escosteguy e Murilo Ramos, sob o título Agência Nacional da Propina: são depoimentos, vídeo, documentos, cheques, que expõem as entranhas do que um dos envolvidos no esquema, José Moreira, chamou de "lógica muito à petista": se é para cobrar propina, cobra-se caro, senão, "se a gente cobrar pouco, vê fantasmas todos os dias". No link acima, quem não é assinante pode ler um trecho da reportagem. Quem diria que comunista, aquele que prega sociedade alternativa e bem comum, contra o imperialismo capitalista do dinheiro, gostasse tanto de.... extorquir dinheiro, não é?
Pois, nessa semana que findou, se houve trabalho de faxina, pode a Dona Diarista Rousseff ficar tranquila. Na próxima, não faltará trabalho para sua recém-descoberta vocação para o trabalho de assessoria aleatória doméstica para assuntos de pó, sujeira e lixo. Enfim, uma coisa divertida nesse desgoverno das Trevas. Um quê de Jânio Quadros, o folclórico líder populista paulista que popularizou a Vassourinha, com o slogan "Vou varrer deste pais a corrupção!" Vassouras à mão, periga só que a Diarista do Planalto se esqueça de que o objeto é para varrer, suba nela e se vá, voando, para os quintos dos infernos...
Veja vídeo complementar de vital importância para melhor efeito no Veneno Veludo

Fecharam o Puteiro Por Falta de Cafetão


Já demitiram 17 no MINTRANS. Prá completar 171 só faltam 154. Aí se-lascou-se. Faltou quem toque o berrante prá levar a boiada.

No meio de toda desarrumação de gaveta dos que saem, o DNIT - Departamento Nacional de Incorreções Totais, órgão executivo do ministério que tinha APENAS sete diretores de todas as matizes serrergonhas, em especial do Partido da Roubalheira, corre o risco de ter as atividades de locupetrações paralisadas até o fim do recesso parlamentar (férias merecidas aos parlamentares que tanto trabalham).

CUMA? O taR departamento, por determinação estatutária, só pode tomar suas mais importantes decisões por meio da diretoria colegiada, com todos os diretores reunidos ou com seus votos declarados.

Como saiu meio mundo, apenas três sobreviveram por enquanto às denúncias de corrupção, e o diretor-geral Pagot, tOmbém com a cabeça a prêmio, tirou férias, só sobram dois representantes dos "acionistas" e o conselho está impedido de deliberar, já que o quórum mínimo exigido pelo regimento interno é de quatro diretores.
Os substitutos, ainda nem escolhidos por dona deelma, só podem ser nomeados após sabatina no Senado Federal, cujos nobilíssimos membros só voltam ao trabalho (HEIN?) no dia 1º de agosto. Até lá, o DNIT ficará estacionado na praça de pedágio.

As decisões do órgão, como aberturas e andamento de processos de licitação, poderiam ser repassadas ao Conselho Administrativo, composto por seis representantes, mas quem tem c* prá isso? Sem cafetão com poderes constituídos, a zona está parada.

Buracos de estrada, Uní-vos. Sua força fará parar esse país.

Desculpa Eu...

Desculpem queridos leitores, mas faz tempo que não vejo nossa presidanta e me permiti mostrar a criatura. Lembram da dona Redonda? Vai no mesmo caminho...
Não era a coisa que dizia que no seu (des)governo haveria um combate diuturno e noturno contra a inflação? Pois é...Faiô...
Na maior cara de pau que deus (letra minúscula pois estou me referindo àquele reformador de bíblia) lhe deu, a coisa afirmou nessa sexta-feira que "todos os planos do governo estão sendo mantidos para atingir as metas de superavit primário e que está criando um quadro para a inflação sob controle". Tá...Sei...
Sem querer, quando lhe perguntaram se o governo tem esperanças que a taxa de inflação ao menos chegue perto da meta (4,5% ao ano) entre 2012 e 2100, a governanta correu e disse que "o governo optou por manter a economia crescendo de forma consistente, embora num ritmo menor do que em 2010".
Acho que isso não tem nada a haver com as calças mas pergunto: E daí?
Ela responde: "uma política de convergência de curtíssimo prazo teria um efeito danoso para a economia", dando a entender que a bosta do governo dela está satisfeitíssimo com os falsos e manobrados dados oficiais, de uma inflação pouco abaixo de 6% neste ano: "Não queremos inflação sob controle com crescimento zero [da economia]", disse a noça atual líder. E continuou: "Estamos fazendo o chamado pouso suave, com uma taxa de crescimento e de emprego adequadas para o país".
Dizer pouso suave é tão criativo quanto o "" I want You" dos EEUU da época da segunda guerra. Uma tradução barata da expressão "soft landing" da economia americana, usada nos meios econômicos para expressar ajustes não realizados de forma brusca.
Diferente da ARARA que disse ser em março, deelma mudou da água pro vinho quanto à forma como iria encarar a inflação. Já fica "tolerante com a alta de preços, se a convergência [da inflação para o centro da meta] se dê num prazo mais curto", sem especificar o tamanho da trolha que o povo vai ter que aguentar na espera de que a taxa recue.
Botou a culpa em um monte de coisas: problemas conjunturais, preço do etanol, a necessidade da política do Banco Central de manter os juros em alta, a desclassificação da venezuela na Copa América, o vulcão no Chile, sei lá mais o quê. Mas disse que "Nós não inventamos nada de diferente". Pronto...Tranquilizador.
Claro que não podia deixar de copiar seu antecessor jumento e botar a culpa nos branquelos dos Zoios azuis e falou um pouco sobre as dificuldades econômicas enfrentadas pelos países da Europa e pelos Estados Unidos. Com sua sapiência de que detem dois poderosos neurônios exclamou, para a surpresa geral: "Chova ou faça sol, estamos olhando os efeitos da crise na Europa e a questão do teto da dívida americana. Porque isso é de nossa responsabilidade. Quando o governo brasileiro perceber ameaça de contaminação por causa da crise no mundo desenvolvido, serão tomadas medidas duras". Va-se à POTAQUEPAREO. Todo leso sabe disso.
Quando o assunto foi a taxa de câmbio, com o real valorizado, respondeu com uma pergunta: "Você acha que a gente pode fazer alguma coisa se a gente não sabe se o pessoal está brincando na beira do abismo ou se já criou uma rede de proteção?". Era outra referência à situação econômica nos EUA e na Europa.
Claro que deelma não tem a menor idéia do que pode acontecer com o eventual "calote da dívida dos EUA", pois a uma criatura tão demente com as atuais incertezas no cenário internacional não permitem ao Brasil tomar muitas decisões agora a respeito de câmbio nem de coisa nehuma.
Frase lapidar: "O mundo está andando de lado. Deixa ele andar um pouco para frente que a gente decide. É bom a gente não dormir. A gente fica alerta. O Guidinho (o margarina) que fique de olhos abertos".
Pois é. Estamos entregues nessa mãos. Vá-se à *erda.

Simplificando as Unidades de Medida

Uma das coisas mais chatas para quem é estranho ao mundo da engenharia é o tal de sistema de unidades de medidas. Polegada X metro; quilo X libra; litro x galão; isso tudo é um saco.




Finalmente!!! Graças a criatividade de um engenheiro baiano, os Sistemas de Unidades utilizados foram unificados em linguagem popular, absolutamente compreensíveis pelos leigos.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Até Heresia Tem Limite...

Novamente estou sendo obrigado a tratar do EX aqui nessa sagrada página, e dessa vez, pela proferição de uma blasfêmia.

Esta impestando a grande rede em sites, blogs, portais e redes sociais a excrescência do nove dedos dita em seu pronunciamento durante cerimônia em Pernambuco, onde esteve cumprindo extensa agenda auto-elogiativa pelo nordeste, para receber não um, mas 3 títulos de Dotô Horribiles Causa: da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e da Universidade do Estado de Pernambuco (UPE). Nossos compatriotas de Pernambuco fizeram esse estoque ao longo dos 8 anos anos do (des)governo do nove dedos e entregaram agora, sincronizando com sua habitual auto-entronização.
Prá não deixar barato tão nobres eventos, na escala em Salvador/BA, durante seu discurso de pouco no Lançamento do Plano Safra de Agricultura Familiar o EX abusou da sua costumeira comparação com divindades e lascou para a platéia de pequenos agricultores a sua douta opinião sobre o Evangelho de São Lucas no trecho sobre a parábola de consolo dos pobres que levam a vida de privações, mas que ao morrer teriam “tesouros espirituais”.

“Bobagem, essa coisa que inventaram que os pobres vai (sic) ganhar o reino dos céus. Nós queremos o reino agora, aqui na Terra. Pra nós inventaru (sic) um slogan que tudo está no futuro. É mais fácil um camelo passar no fundo de uma agulha do que um rico ir pro céu (sic). O rico já está no céu, aqui. Porque um cara que levanta de manhã todo o dia, come do bom e do melhor, viaja para onde quer, janta do bom e do melhor, passeia, esse já está no céu. Agora, o coitado que se levanta de manhã, de sol a sol, no cabo de uma enxada, não tem uma maquininha para trabalhar, tem que cavar cada covinha, colocar lá e pisar com pé, depois não tem água para irrigar, quando ele colhe não tem preço. Esse tá no inferno", criticou.

Uma bravata dessas ele faz no nordeste onde não cai raio. Queria ver ele dizer aqui na Amazônia, um dos maiores índices ceráunicos do mundo...Tupã largava uma faísca daquelas no meio dos chifres da criatura. VADE RETRO.

Carta de Arthur Virgílio a Geraldo Alckmin





Lisboa, em 21 de julho de 2011
Prezado Geraldo,

O Amazonas foi traído pela presidente Dilma Rousseff no episódio dos tablets. Concedeu incentivos que os direcionam a São Paulo e, com isso, pode ter aplicado golpe de morte no Polo Industrial de Manaus.
Agora você desonera a produção desse artigo tão relevante, cumprindo, certamente, seus deveres de governador do principal estado da Federação. Ora, a presidente se decidiu por São Paulo, não haveria, então, de ser logo você a recusar a generosa oferta.
Na minha lógica, se Dilma não houvesse editado a MP 534, os tablets iriam para Manaus, mesmo que você tomasse a atitude que tomou. Daí a insistência com que me disponho a entender o governador.
Só não o entendo mais, aliás, porque você não é um governador qualquer, restrito às fronteiras paulistas, candidato a presidente da República que foi e nome presidenciável que é. O governador local, que só aspire a dirigir seu estado por quatro ou oito anos, cumpre seu papel e vira as costas para o resto do Brasil. Do governador nacional, que conhece o País e seus problemas, se espera visão global, percepção de conjunto da realidade complexa e multifacetada que nos envolve.
Escrevo-lhe, pois, para registrar a incompatibilidade que vejo entre essa forma de governar São Paulo e as necessidades do Amazonas, do Nordeste, do Centro-Oeste. Dilma, que recebeu quase todos os votos do meu estado, traiu a expectativa nela depositada. Você não traiu nada e nem ninguém: apenas, mais uma vez, esqueceu que perder um pouco no curto prazo pode significar ganhos políticos e até econômicos para São Paulo.
Veja que não me refiro a ganhos políticos para você, mas para São Paulo, hoje visto como estado predador, que se distancia dos demais entes federados e, não raro, os esmaga. Por igual, quando me refiro a ganhos econômicos, penso num Brasil equilibrado, que consuma mais, produza mais, enriqueça mais, negocie mais com São Paulo e participe, forte e justamente, da prosperidade do povo que você governa.
Esqueçamos, se é que podemos, os tablets. Lembremo-nos dos celulares, das inúmeras – e inconstitucionais – medidas restritivas adotadas contra uma área de exceção, garantida pela Constituição, que é a Zona Franca de Manaus. Trata-se, claramente, de uma postura: não abrir mão nunca de nada, sem desconfiar de que isso consolida o crescente rancor brasileiro contra o admirável estado que você dirige.
A Zona Franca se estriba em incentivos fiscais? Claro que sim. Castelo Branco e Roberto Campos tiveram a lucidez de perceber que se deveria incentivar região pobre e estratégica. A França fez isso com o seu Midi, a Itália com o seu Mezzogiorno, os EUA com o Tennessee Valley.
O Brasil fez isso a favor de São Paulo a vida inteira. Ou não foi assim quando JK decidiu que a indústria automobilística seria majoritariamente paulista? Quando o presidente Collor criou a Lei de Informática? Quando Lula, recentemente, fez todas as concessões fiscais possíveis e imagináveis para socorrer as montadoras de automóveis?
Quando se trata do Amazonas, certa imprensa torce o nariz. Ignorando o peso do Polo de Manaus para a manutenção da floresta em pé. Esquecendo o seu valor para a segurança nacional. Olvidando o seu significado econômico, com reflexos generosos para o próprio São Paulo.
Sugiro-lhe que faça um exame dos contenciosos paulistas com os demais estados. E espero que compreenda a decisão que tomei.
Sem nenhum prejuízo para a admiração que nutro por sua competência e sem nenhum arranhão na amizade que lhe dedico, saiba que, doravante, estarei impossibilitado de me alinhar politicamente ao seu lado. Pelo menos até o momento em que os governos de São Paulo e do Amazonas sentem à mesa de negociação e acertem modo harmonioso e justo de convivência.
Escrevo-lhe quando estou sem mandato, “exilado” em Lisboa e você desfruta de situação política confortável e forte. É melhor que seja assim. É mais o meu estilo. O contrário talvez me inibisse e constrangesse.
Se seu (alto) limite é se restringir a São Paulo, meu dever é defender o Amazonas.
Recomende-me à Lou e aos meninos e receba meu mais cordial abraço.

Arthur Virgílio

COMENTO: E muitos de meus conterrâneos amazonenses preferiram dar o voto em troca de trinta dinheiros dos cartões do Bradesco para a onça pintada de Santa Catarina, para ser mais uma genuflexa no senado da república.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Bolsas Para Doutorado: Só Pode Ser Piada

Dotô Merdandante e Seu Fernando Malddad já andaram vomitando aos quatro ventos que vai ser uma fartura de bolsas de estudo no exterior prá todo mundo. Os primeiros falatórios davam conta de 75.000 (vou escrever por "Estêncil" prá não pensarem que eu errei nos zeros - Setenta e Cinco Mil). Acharam muito? Pois o MEC (aquele mesmo das cartilhinhas erradas) divulgou onti-onti que irá dobrar a oferta e que, ainda em 2011, já sejam oferecidas 2.800 bolsas só de doutorado.
Mas prá não deixar nenhuma dúvida que essa Josta é piada, vejam só o nome do taR programa da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior): PDSE (Programa Institucional de Bolsas de Doutorado - Sanduíche no Exterior). Dá prá levar a sério?
E continua a brincadeira...Prá se enquadrar na lista dos candidatos a mandar alunos para o exterior, os cursos de doutorado deverão ter notas entre 3 e 7 na avaliação da Capes e poderão se candidatar a receber não uma, mas duas cotas de bolsas. Antes, apenas os cursos com nota acima de 5 recebiam uma só cota. Com essa moleza, atingirá mais de 750 milhões...
Prá facilitar ainda mais, o coordenador do programa de pós-graduação será o responsável por designar uma comissão (10% talvez?) para análise de cada proposta de estágio. Os candidatos poderão fazer suas inscrições na página eletrônica da CAPES somente após a aprovação dos seus documentos nas instituições de ensino.
O projeto final será apresentado na próxima semana à governanta pelos dois sinistros.
Do total de bolsas, 45 mil serão ofertadas pela CAPES e 30 mil, serão de responsabilidade do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).
De acordo com o MEC, a estimativa de investimento ao longo dos quatro anos será de US$ 936 milhões. (Naquela taxa de 10% serão quase US$ 94 milhões)
Só prá comparar como esse (des)governo pensa (HEIN) "grande", em 2010 foram distribuídas 5.300 bolsas de estudos no exterior. A meta do programa é aumentar esse patamar em 15 vezes, dando prioridade à formação de alunos em áreas consideradas estratégicas para o desenvolvimento do país como engenharias e tecnologia, atingindo alunos dos níveis de pós-doutorado, doutorado, mestrado, graduação e cursos técnicos em nível médio.
Como todas as coisas deles vem de trás prá frente, o plano pronto e já vai liberer grana, mas ainda não firmou parcerias com as instituições de ensino estrangeiras interessadas em receber alunos brasileiros. Mas isso é um detalhe.

Bom...deixa a vida me levar, diria o poeta.

O problema é que conversei já várias vezes com amigos meus mestres, doutores e pós-doutores e ainda um pró-reitor e outro reitor; e foi voz comum que a bronca é trazer os "cérebros de volta" como diz o bigode irrevogável. Os números que eles falam é da ordem de 20%. Eu acho muito alto, mas eles garantem. Se não forem estabelecidos critérios de garantia de compromissos de retorno e para trabalhar para as instituições, vai ser um bolsa-família para graduados: sem fim e sem retorno para a nação. Esse povo vai todo trabalhar na iniciativa privada, isso se voltarem. pagar prá ver, como sempre...

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Aeroporto Modelo? Tutaméia...



Baseado em artigo de Flávio Ferreira Folha de São Paulo
Tido e havido como referência do novo modelo a ser adotado na operação e manutenção de aeroportos "concedidos" (a palavra privatização é quase um sacrilégio prá essa corja) pelo (des)governo; o aeroporto da Grande Natal, situado no município de São Gonçalo do Amarante já está em bocas de Matilde, pois foram instalados três inquéritos para a PF investigar fortes suspeitas de desvios na sua construção.
Sobre a obra, que vem sendo executada na infraestrutura básica pelo Exército (ver fotos acima) e será operado pela iniciativa privada, pairam dúvidas de que a Força pagou a uma empresa por serviços que teriam sido prestados pelos próprios efetivos militares. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público Federal e pelo Ministério Público Militar, que apuram a participação de oficiais em possíveis desvios, o que se configuraria crime de peculato (desvio praticado por servidor público).
Estão sob investigação quatro licitações do Exército vencidas pela empresa Pedreira Potiguar entre 2008 e 2010, em concorrências de R$ 13,2 milhões feita pelo 1º BEC (Batalhão de Engenharia de Construção) para o fornecimento de asfalto usado nas pistas de pouso e nos pátios do aeroporto. Nas investigações se avalia que a empresa tenha sido paga por material fornecido pelas usinas do ME e executada pelos militares en nãopelos funcionarios da empreiteira. Já foram pagos R$ 12,6 milhões.
Como sempre, os envolvidos negam até a morte qualquer irregularidade e o Exército disse que não se manifestaria durante a investigação.
Historicamente, o dono da Pedreira Potiguar, José Luís Arantes Horto, já tem pedrigree. Ele já esteve envolvido em desvios de obras da BR-101 na Operação Via Apia da PF, que culminou na prisão de Gledson Maia, ex-dirigente do DNIT local, sob suspeita de corrupção.
Numa coincidência da poha, a Potiguar e outra empresa de Horto, a Transpedras, doaram cada uma R$ 75 mil para o PR nas eleições de 2010.
Na balada da obra do aeroporto, a PF abriu outro inquérito para investigar a contratação da empresa em obras de drenagem na BR-101 em Natal e Parnamirim (RN). O Exército teria feito pagamentos antes do início da obra.

E segue o velório...Aguardemos se haverá sepultamento.

Gabinete Sombra, Mas Nem Sombra de Oposição

A imprensa ontem deu conta que o PSDB está preparando o lançamento de um "gabinete sombra" para fiscalizar as ações do governo nas mais diversas áreas. Prá começar, o tal gabinete está previsto para o próximo semestre. Por que não deixam logo prá depois da copa, das olimpíadas, da virada da década, sei lá, algum momento mais marcante, pois até agora não fizeram chongas de sua sagrada missão de valorizar os milhões de votos que têm país afora e buscar fazer uma oposição de verdade a esse (des)governo que aí está.

Primeiro que a idéia nem nova é. Os petralhas fizeram isso e deram o nome de Governo Paralelo, coisa que deveria ter sido feita desde o dia 01/01/2003, durante o primeiro mandato do nove dedos. Desde lá, com a faca nos dentes, teria se partido prá cima no caso do mensalão e pronto. Acabou-se a conversa. Mas não, para preservar o safado e incompetente do Azeredo deixaram que a corja desse um nó neles e perderam 3 eleições, fazendo de tontos todos os que não se alinham com esta canalhice e roubalheira que se instalou.

De lá prá cá é um escândalo por semana (ou períodos menores) e fica por isso mesmo.

Agora querem catar e colecionar informações para propiciar aos técnicos dos organismos de fiscalização e controle prepararem ações mais contundente, para que a oposição não fique refém dos fatos e das denúncias de irregularidades, bandalheira e falcatruas que envolvem os poderes da nação, mormente os ministérios de dona deelma.
Um dos objetivos é dar subsídio para a imprensa, por exemplo. CUMA? HEIN? O que se sabe veio da imprensa e nunca deles, nem do DEM e PPS, que serão convidados para participarem da ação.
Sérgio Guerra, o frouxão que nem se candidatou à reeleição ao senado com medo de perder, chegou ao despautério de dizer que "a oposição foi combativa como nunca foi, mas ainda é preciso ter avanços e mais organização". Tem que beber óleo de peroba e não só passar na cara.
É óbvio que as irregularidades não são apenas no MINTRANS e estão em todos os lugares, é só procurar que acha. Não é só a curriola do Partido da Roubalheira, mas de toda base alugada e genuflexa.
Eles são tão lesos, que fazem seus movimentos no jogo e nem bem levantam das cadeita e já tomam porrada na cabeça. O idealizador das HEMPCOOP e líder do (des)governo Paulo Teixeira, disse que a ideia de criar o "gabinete sombra" para fiscalizar o governo é bem-vinda. "Ainda que a gente já esteja em nosso nono ano de governo", destacou. Ou seja: chamou de cachorro e ainda pisou no rabo. "O PSDB não tem moral para falar do nosso governo, que vem gerando o crescimento da economia e gerando renda", completou o petralha.

Se os cagões se dispuserem a ler a blogosfera, tem centenas de blogueiros, tuiuteiros, facebookers e afins que fazem isso desde sempre. É só ser humilde e aprender conosco. E eu sou um Zé Mané, mas tem muuuuitos bons e mais experientes.

Baixem a bola e trabalhem folgados.

terça-feira, 19 de julho de 2011

Revanchismo? Será? É Claro Que É...

Informações da Folha de São Paulo
O babado mais forte da semana para os exportadores brasileiros, já tão assaltados em nossos impostos domésticos e pela valorização do Real frente ao Dólar; foi a divulgação pela administração de comércio exterior europeu de nota oficial dizendo que o Brasil será excluído do SGP (Sistema Geral de Preferências) da União Europeia, com o argumento que o SGP foi feito para países pobres, e nós não somos um país pobre, segundo o comissário europeu de comércio, Karel de Gucht. "Vocês são um país que ainda tem pessoas pobres, mas claramente o SGP não é feito para vocês."

Pronto...Se-lascou-se. Tocou o maior terror em várias áreas de comércio de exportação. Ao que se sabe, perto de 12% das exportações do Brasil para a UE estão inclusas nas ajudas de reduções e isenções de tarifas de importação do SGP, coisa de € 3,4 bilhões; principalmente itens como máquinas e equipamentos, industria automotiva e seus componentes, produtos químicos, plásticos e têxteis.
Prá ficar bem claro, o comissário afirmou catagoricamente que não será possível manter nenhum benefício fiscal para nenhum dos produtos incluídos hoje no SGP, colocando em polvorosa os empresários brasileiros.
Além da medida afetar as exportações; teme-se que a China ocupe esse espaço, fortalecendo sua indústria para embates em outras praças mundiais, como os EEUU, por exemplo; uma vez que o país permanecerá sendo considerado de renda baixa, mantendo os benefícios do sistema SGP.
A medida foi baseada na decisão do (des)governo brasileiro, que estabeleceu a regra de permitir às empresas nacionais praticar preços até 25% maiores em licitações do governo, coisa absurda que deve constar da nova política industrial.
Prá aliviar a barra, o comissário disse que espera que a União Europeia tenha acordos de livre-comércio com o Mercosul antes que o Brasil seja completamente excluído do SGP, a partir de 2014. A bronca é que a botoxizada da patagônia deixou claro que não quer mexer nesse vespeiro antes da eleição presidencial deste ano.
Levando em conta que também desfrutamos de benefícos no SGP americano, quase 10% das exportações brasileiras para o país, somando US$ 2,1 bilhões em 2010, e as recentes implicâncias turrentas da corja vermelha com os Zamericanu, pode degringolar a coisa de vez, ainda mais que o Obama está pressionado pela suas encrenca interna pré-eleição também.
A exportação de itens produzidos a partir do uso intensivo de mão de obra será a mais prejudicada com a decisão de excluir o Brasil do SGP (Sistema Geral de Preferências).
De acordo com informação dos jornais especializados e da ACEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil), os maiores prejudicados serão as indústrias têxtil, de confecção e de calçado, mas vai engrossar o caldo prá todo mundo.
Eu ainda boto um pouco de ranço nessa conversa...Com certeza tem alguma sobrinha da ajudinha ao Battisti nessa parada aí.

Então Por Que Aprovaram o Plebiscito?

Baseado em artigo de CATIA SEABRA para a Folha de São Paulo

Depois de fazerem a merda de aprovar a consulta popular por plebiscito para atender seus comparsas, opsss, seus pares do Pará, os parlamentares dos estados mais populosos estão à beira de um ataque de nervos e ameaçando uma verdadeira guerra civil no congresso.

Isso porque, se for aprovado o desmembramento do estado, primeiro no plebiscito, onde a chance é enorme pela campanha milionária em curso; e depois, no Congresso, a área que hoje equivale ao Pará teria seis novos senadores, totalizando nove. Até aí sem problemas, porque são acréscimos e sobrará apenas a conta para os idiotas contribuites pagarem.
No caso da Câmara dos Deputados, a coisa é mais enrolada. A Constituição prevê que cada Estado tem direito a um mínimo de oito deputados. Hoje o Pará tem 17 e assim se configuram duas hipóteses: num caso, os três Estados somariam 33 vagas na Câmara; as 17 já existentes e as 16 novas. Na outra, as 17 cadeiras seriam redistribuídas. Mas mesmo assim, seriam necessárias pelo menos outras sete vagas, exigindo a ampliação do tamanho da Câmara, hoje com 513 deputados.

Ou seja: os mesmos eleitores elegerão mais 2 governadores, 6 senadores, 16 deputados federais e perto de mais 40 deputados estaduais.
Como a lei fixa um máximo de 513 deputados, vai ter que se tirar de vagas de outros estados, aumentando a distorção representativa que hoje existe, com uma concentração maior de parlamentares no Norte.
Com a espalhação do fedor, os estados mais populosos, concentrados no Sul-Sudeste começam a se mobilizar para impor limites às bancadas dos que estão em vais de ser emancipados.
desequilíbrio na Câmara, com maior concentração de poder no Norte em comparação com o resto do país.
Uma das sugestões em curso seria reduzir oito para quatro o número mínimo de deputados por Estado e, neste caso, incluindo os estados existentes. Duro será convencer os deputados de Estados menores a aprovar uma emenda que reduz à metade o tamanho de suas próprias bancadas reduzindo a boquinha.

A ver o que acontecerá. Mas convém aumentar o número de detetores de metal na casa.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

E O Dinheiro Continua Saindo Pelo Ralo

Com informações do Estado de São Paulo e da Revista VEJA
A patifaria não para de surgir lá pro lado do MINTRANS e seus apetrechos administrativos. A cada dia aparece mais um cadáver num dos armários de empresas e autarquias ligadas à instituição.
De ontem prá hoje surgiram informações que dão conta de um vergonhoso esquema montado com, pelo menos, duas empresas de fachada contratadas pela VALEC e DNIT para fornecimento de mão de obra, com valores da ordem de R$ 31 milhões dos quais R$ 13 milhões SEM LICITAÇÃO. A coisa tem caráter tão serrergonha que até usar documentos falsos para merecer a contratação aconteceu; atingindo uma amplitude enorme, pois chegou a 20 Estados e ao Distrito Federal, ao que já se sabe até agora.
As empresas são a Alvorada e a TechMix que têm como seus proprietários um casal, pasmem vocês: o dono da TechMix (Luiz Carlos Cunha) é esposo da dona da Alvorada (Alcione Petri Cunha). Concorrência de alcova...Rs rs rs.
Prá não ser diferente, as pessoas contratadas por essas empresas, são escolhidas pelo PR - Partido da Roubalheira, que domina as ações no MINTRANS desde o primeira pasagem do nove dedos pelo planalto. Dizer que não sabia dessa vez não dá, uma vez que os contratos foram assinados por canetas poderosas alto escalão da autarquia e da empresa: no DNIT foram assinados pelo próprio diretor-geral Luiz Antônio Pagot, e pelo diretor executivo, José Henrique Sadok de Sá, ambos já defidamente afastados dos cargos. Na VALEC foram canetados por Antonio Felipe Sanchez Costa e por José Francisco das Neves, o famoso Juquinha (vê se pode, o apelido superar o nome), pego na primeira passada de régua de dona deelma.
Começando com a Alvorada... Era uma empresa de embalagens que mudou de ramo para poder prestar os serviços objeto das contratações, apenas 1 dia antes da primeira ordem de serviço, com o detalhe que antes disso não tinha feito nenhuma atuação no mercado. É comum em certames públicos que se exija experiência no ramo, coisa que a Alvorada nem de longe tinha, mas mesmo assim abocanhou dois contratos, um de R$ 5,8 milhões e outro de R$ 7,4 milhões, ambos sem licitação.
Já a TechMix Serviços, contratada pelo DNIT pegou serviços de R$ 18,9 milhões após a desclassificação de oito concorrentes que apresentaram preço inferior a esse valor.
Continuando as coincidências, o contrato de R$ 5,8 milhões com a Alvorada foi assinado em 14 de dezembro, mesmo dia em que a TechMix foi declarada vencedora.
Num rastro enorme de bandalheira, as concorrentes trocam de endereço mais que modelos trocam de roupa em desfiles e chegaram a ter registros no mesmo lugar. Hoje, são APENAS vizinhas numa única sala de trinta metros quadrados.

O "poderio" da TechMix é tão grande que possui duas mesas e um computador nas suas instalações. Prá "fichar" lá tem que passar por "avaliação qualificatória" dos parlamentares do PR.
Claro que o dono da TechMix Serviços negou qualquer irregularidade na contratação de sua empresa e afirmou que não há nenhuma ligação entre esse contrato e os acertos emergenciais fechados pela Alvorada. "Ela tem o negócio dela e eu tenho o meu". Afirmou também que nunca ouviu nenhuma proposta de propina em relação a seus contratos. "Nunca ninguém me pediu nada. Nunca escutei uma proposta dessas", disse. "Só teme quem deve. Tenho minha mente tranquila". Quanto à desclassificação das oito propostas com preços abaixo da sua oferta ele disse que elas tiveram erros.

A quantidade de zeros que seguidamente aparecem como sendo desviados do MINTRANS faz muita falta nas desgraçadas estradas brasileiras, causa de acidentes e mortes aos milhares, muito mais que em guerras mundo afora.

Assim como nesse ministério, a esculhambação é generalizada por todos os orgãos do (des)governo petralha, ficando evidente que a corrupção é institucionalizada e organizada nis moldes da própria máfia. Cabe aos orgãos de controle achar as provas e por essa curriola toda na cadeia.

O Salvador do Universo

Copiei lá no Blog do Beto.

domingo, 17 de julho de 2011

Fazer a Arca de Noé - Grande Idéia

Que idéia arretada. Um holandês resolveu fazer a réplica da Arca de Noé. Poderíamos inverter a lógica original, pedir a arca emprestada e por algumas espécies a serem extintas dentro. Depois entregava prá Marinha treinar tiro ao alvo.

Tudo É Uma Questão de Prioridade


video