Read In Your Own Language

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Mamulengo Dispensa Prêmio Nobel

Informações do Estado de São Paulo por Roberto Simon
Nesta próxima terça feira estará no Brasil a advogada iraniana e Prêmio Nobel da Paz Shirin Ebadi. Pelo que representa para o seu país e para o mundo a sua premiação, pela luta contra a ditadura dos ayatolás representada pelo neurótico e maníaco atômico Mahmoud Ahmadinejad, madame Ebadi deveria ser recebida pela primeira governanta eleita no Brasil machista e a segunda mulher mais votada das que já pisaram na superfície da terra.

Mas não... Dona deelma não vai receber a nobiliada porque desagrada ao EX e eterno amigão e admirador do apedrejamento e a senhora será recepcionada pelo açeçor para assuntos Ixternacionais, Marco Aurélio Garcia, o top top cultivador de tártaro.
"Se Dilma defende os direitos humanos e as mulheres, ela me receberá", insistiu a iraniana em entrevista ao Estado. O (des)governo brasileiro, porém, acredita que receber a ativista enviaria "a mensagem errada".
Com a sua curta e seletiva memória, dona deelma esqueceu que pregou na campanha uma mudança na diplomacia para os direitos humanos, criticando publicamente a abstenção do Itamaraty em uma resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU condenando o apedrejamento de mulheres no Irã. Deelma chegou a chamar de barbaridade a lapidação, posição reiterada em entrevista ao jornal Washington Post.
Em março, a governanta rompeu com o padrão de voto do governo Lula nas Nações Unidas e apoiou a criação de um relator especial para o Irã (sob críticas do ex-chanceler Celso Amorim - grandes merdas). Uma semana depois, Shirin foi convidada a um jantar na embaixada do Brasil em Genebra.
Oficialmente o presidente da república só recebe por obrigações protocolares chefes de estado e de governo e, excepcionalmente, ministros de estado em missões específicas delegadas por estes, mas deelma recebeu recentemente Shakira e o U2, e não poderia deixar de receber a advogada, conforme destacou seu representante no Brasil.

Shirin falará na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo e em uma audiência na Câmara dos Deputados. Ela terá ainda um almoço em Porto Alegre com a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, e com o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT). Em 2003, ela ganhou o Nobel da Paz por sua atuação em Teerã, mas, com a eleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, em 2005, o cerco a dissidentes iranianos fechou-se ainda mais e Shirin partiu para o exílio. Hoje ela vive entre a Grã-Bretanha, os EUA e o Canadá. Esta será a primeira vez de Shirin no Brasil.
Mas o mamulengo não vai querer desagradar seu criador, principalmente agora que está com um pepino de proporções gigantescas na mão como os casos de Toinho e seus AP's, Malddad e suas cartilhas, Ana de Amsterdã e seus aportes culturais, Temer e seus asseclas do PMDB e por aí vai; e precisa desesperadamente do nove dedos por perto prá controlar os mais afoitos, até do próprio PT.

Nossas boas vindas à premiada. Nosso país a recebe com muito orgulho, mesmo sem a presença de quem foi eleita prá isso e muitas coisas mais.

4 comentários:

Pfuime disse...

Isto mesmo Cacique!
Este governo não nos representa.

Abçs

Velvet Poison disse...

O negócio dela é outro, gente. O Chapolim de Miraflores será muito bem recebido em Tupinicópolis.

@Galgarcia disse...

FLOR DO MAMULENGO
http://youtu.be/IgBwQ5HTbcE

Blog do Beto disse...

OLÁ AJURICABA.

O PT SÓ RECEBE DITADORES, CORRUPTOS E BANDIDOS EM GERAL.

ABS DO BETOCRITICA