Read In Your Own Language

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Allons, Enfants de La Patrie

Essa pergunta caberia na boca de muitos de nossos (des)governantes nos 3 poderes da república. Mas acho que muitos não a fariam tão e simplesmente reconhecendo seus erros. Antes, invocariam um Habeas Corpus preventivo, cercados dos mais renomados e dispendiosos juristas, a maioria ex-membros dos tribunais superiores, remunerados a números com vários dígitos, apresentando planilhas e slides em power point para justificar taxas de sucesso, crescimentos patrimoniais e posses absolutamente injustificáveis. Mas lhes restaria assistir várias cabeças rolando antes de suas próprias.

Poucas monarquias foram tão avassaladoras com as classes efetivamente trabalhadoras como as francesas. Reis-sóis, O estado sou eu, brioches e coisas assim floresciam entre os poderosos de então. Um dia ia estourar; e assim aconteceu.

Mas nos paralelos abaixo (e até um pouco acima) do Equador coisas muito mais escabrosas acontecem e poucos se dão efetivamente conta.

Variações tupiniquins da filosofia Panis Et Circenses estão cada vez mais em voga, com nomenclaturas bem mais sugestivas como seleção de futebol, flamengo, corintians, copa do mundo, legados olímpicos, bolsa-qualquer-coisa...Monsieur Joseph-Ignace Guillotin não desperdiçou seu tempo com o invento. Coisa de 15 mil pescoços a enfrentaram e ouviram o sílvo final da queda da lâmina.

Hoje em dia haveria problemas para conseguir a licença ambiental para a cerimônia pois sangue em grande profusão poderia contaminar os lençóis freáticos, gritos lancinantes perturbariam a lei do silêncio e não haveria aterros sanitários suficientes para acomodar uma volume tão grande de crânios.

Mas seria uma forma rápida e rasteira de nos livrarmos de tanta safadeza. Eu já não os aguento mais.

Pelo que tem de muito bom na França hoje, nossa homenagem pelos tempos ruins que passaram, com a esperança que tenhamos coragem de seguir os nossos próprios estandartes contra a tirania.


video

Um comentário:

Velvet Poison disse...

Passei por aqui. Não vou comentar, porque meus neurônios neurastênicos estão exaustos, nesse momento. Eu nem deveria comentar esse não-comentário. Mas registrei presença. O post é perfeito, a propósito!

Salve, Cacique!