Read In Your Own Language

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Pontes: Uma Nova Mania dos Manaós

Eu tinha publicado AQUI que, no embalo da ponte Rio Negro, as cidades e comunidades do sudoeste do estado já estavam "se mexendo" para as providências iniciais para a futura implantação da ponte sobre o Rio Solimões. Com a inauguração dia 24/10 pp da Ponte Rio Negro, foram retomadas e aceleradas as discussões sobre tal possibilidade.

Esta outra extraordinária obra de engenharia interligará Manaus aos municípios de Careiro da Várzea, Borba, Manicoré, Humaítá e, através da BR-319, uma estrada completamente destruída, ligaria o Amazonas ao restante do País, via rodoviária, através de Rondônia usando a BR-364.
Já em dezembro de 2010, o deputado estadual Francisco Souza (PSC), presidente da Comissão de Turismo e Empreendorismo da Assembleia Legislativa, e que jura ter parido a atual ponte, iniciou a mobilização para a coleta de 120 mil assinaturas favoráveis à construção da ponte, para dar partida nos trâmites legais.
Presente na inauguração da Ponte Rio Negro, Souza disse que está na hora de começar a sonhar com a construção da ponte sobre o rio Solimões, usando como argumento que esse empreendimento acelera a construção da BR-319 cuja conclusão de reforma está previsto para 2014. A rodovia seria importante para a questão logística de transporte, turismo, indústria e comércio do Polo Industrial, hoje totalmente dependente de transporte aéreo e marítimo/fluvial.

Pensando baixo, estimo que o valor da nova ponte seria umas três vezes superior ao da construção inaugurada nesta segunda. Isso partindo para a definição do valor básico da licitação e considerando apenas o porte da obra, sem os famigerados aditivos que duplicaram o valor da ponte Rio Negro.

No infográfico acima dá prá ver que a travessia do Solimões é mais larga, o rio é mais profundo, as correntezas são mais poderosas, o solo é mais instável, não se tem a menor idéia do tipo de material que forma o leito do rio e por aí vai.
O que se sabe é que técnicos do MPF/AM estão debruçados na analise dos documentos relacionados dos recursos usados para a construção, parte de recursos próprios parte BNDES. Fala-se que já existem informações relevantes, mas como o assunto envolve questões técnicas complexas ainda vai ter "mita água prá correr em baixo da ponte", com o perdão do trocadilho infame.

O fato é que este cacique já colocou esta nova coisa a se preocupar no seu rol de questões.

Um comentário:

marciagrega disse...

Putzz mais uma roubalheira atoa....