Read In Your Own Language

terça-feira, 26 de julho de 2011

Cadê A Arábia Saudita dos Trópicos?

Tanto o EX quanto dona deelma quando era sinistra das minas e energia ou mesmo da casa covil, berravam aos quatro ventos que eçepaíz ia ser a Arábia Saudita dos trópicos seja pela exraordinária (essa palavra todos eles adoram) produção de petróleo do pré-sal seja pela produção de combustíveis "verdes", etanol e biodiesel de mamona (aquela que o Requião comeu pensando que era igual a pistache).
Ano passado vivemos grave crise de combustíveis por conta da entresafra de cana e pelo aumento do acúcar no mercado internacional o que levou os usineiros, eternos financiados pelo e financiadores do (des)governo, a diminuir a produção de álcool. Como consequência, subiu o preço destes combustíveis nas bombas e o povo enfiou a mãozinha no bolso, como sempre.
Big Wolf de cabelos tipo asa de grauna, correu a dizer que tinha sido apenas um acidente de percurso e que jamais se repetiria. Como sempre, mentira prá enganar a massa.
Ontem, 0 presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse alto e bom som ao Jornal da Globo, que a capacidade de produção de gasolina chegou ao limite no país, e que, com tanta demanda, o preço pode aumentar.
Com a contumaz falta de planejamento e atabalhoamento de decisões, a Petrobras virou um saco de gatos, onde a engenharia foi relevada a segundo plano em detrimento da manipulação política da empresa, tanto que sofreu forte queda de valor de suas ações e de representatividade no mercado.
Obras superfaturadas e desencontradas de implantação de 4 novas unidades e ampliação de refinarias existentes, vide a unidade do Maranhão e de Pernambuco, não aconteceram é claro e daí se explica o esgotamento dos limites máximos de refino.
Prá não dar o braço a torcer, Gabriellli, um dos próximos alvos da "gerentona faxineira" pos a culpa nos outros. Afirmou que a causa foi o aumento da venda de carros flex e a diminuição da produção de alcool, a solução, por enquanto, é importar gasolina.
Estamos portanto numa situação de aumento acelerado da demanda de gasolina pelo alto custo do álcool e esgotamento da produção de gasolina. Gabi ainda disse que a venda de carros "flexiveis" (Sic), fruto da política de contenção da crise pelo (des)governo também influiu neste problema. Ou seja: por enquanto a única saída é importar gasolina e etanol e aumentar o preço de venda ao público. Vê se pode.
Gabrielli falou também sobre o plano de investimento da companhia, outro parto complicado. O que se sabe no ambiente real é que ninguém consegue viabilizar o programa de crescimento da empresa por absoluta falta de dinheiro e rédito que vive a Petrobras. Já tentaram três vezes aprová-lo mas o conselho de administração não aprovou, o que deixou eventuais investidores cada vez inseguros, com as ações da Petrobras despencando: cairam 14 % este ano e 34 % desde 2010, coisa que Gabi evidentemente nega e diz que as ações da empresa "começam a dar sinais de recuperação".
Pela primeira vez na história da empresa, já se pensa em vender ativos ou participações acionárias em empresas para gerar um caixa de US$ 13,6 bilhões para o pagamento de dívidas.
Prá quem é mau gerente, posso até dar alguns pitacos: voltar a administração para um estágio técnico e não político, moralizar a gestão e diminuir gastos de fantasia como financiar shows e festas de forró, buscar de parceiros para atividades fins de exploração e produção no Brasil e no exterior garantindo transparência nos negócios, vender (ganhando dinheiro e não favorecendo contribuintes de campanha) ativos que não são do ramo da empresa, reduzindo participação "filantrópica" nos negócios da empresa, melhoria da gestão do caixa, trocando dívidas de curto prazo por captações de longo prazo lastreadas em produção (ações) e não monetariamente.

Sem falar em que se tem que ir atrás de roubos, superfaturamentos, doações e cessões de bens caríssimos a governos "camaradas" e essas bandalheiras que frequentam as manchetes.

Aí salva essa gigantesca e extraordinária empresa, que há muito deveria ser das maiores das "sete irmãs".

4 comentários:

JANDAÍRA-BAHIA, MEU PARAÍSO! disse...

Bom Dia! Impressionante o modo com o qual os atuais governantes tratam o Brasil, conseguiram desestabilizar a credibilidade dos Correios, empresa vitoriosa desde o Império, logo após sucederam-se escândalos mais do que vistos e sabidos, agora estão conseguindo "minar" a Petrobrás, uma empresa respeitada no mundo inteiro desde Getúlio Vargas! Posso estar errada, porém a sensação que tenho é a da campanha da saúva: ou o BR acaba com o PT ou o PT acaba com o BR! Não existem razões para pensar diferente! Não se vê, comprometimento sério e sincero! Tudo parece encenação! Enrolação! Frases e atitudes apenas de efeito! Dessa forma o título do artigo cai como uma luva! Cadê a Arábia Saudita dos Trópicos?
Obrigada!

Velvet Poison disse...

Tudo o que o PT toca, apodrece.

"O Mascate" disse...

Chefe, você esqueceu de dizer que o Sebento em seus discursos dizia que com o Pré Sal entraria para a OPEP.
O pré são faz a pre ssão subir e a OPEP continua livre da gente.
E o DESgoverno que não consegue controlar o preço do àlccol, parece que vai ter que aumentar o da gasolina.
E viva o Brasil do PT!!!!!
Ai ai...acho que vou comprar uma Bike....

Zinha_09 disse...

É inacreditável o que a petralhada e base aliada estão fazendo c/ o país!!!

E o povão,boboca e desdentado aplaude!
Viu aquela mulher que recebeu o título de eleitor dizer hoje no JN que agora se considerava uma "cidadã" ?
E o esgotão no país, a céu aberto!E o povão feliz...(Feliz???)