Read In Your Own Language

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Operação Messalina


A esculhambação na Petrobras agora se revela em sua versão mais autêntica: a de uma verdadeira putaria.
Além de dinheiro a rodo correndo nas contas, pagamentos de pensão de amantes, cessão de aviões e helicópteros, compra de imóveis e automóveis; sabe-se agora que "meninas permissivas" também estava nas despesas autorizadas pelos envolvidos.
Nas planilhas dos operadores, descobriu-se termos como Artigo 162 e Monique. Curiosos, os agentes federais deram uma prensa e descobriram que eram pagamentos de festinhas e encontros privê com famosas, frequentadoras de programas e novelas, globais ou não, e de páginas de revistas masculinas. Custo da farra? Acima de 200 mil reaus por ano... 
Como aos investigadores não vem ao caso saber como foi gasto o dinheiro roubado e sim como foi roubado, deixaram este pequeno detalhe de lado, ficando apenas o registro histórico, que seria cômico se não fosse trágico.
Só lembrando: ser prostituta não é crime, mas explorar a prostituição é... Dá pra agregar mais uns aninhos na conta desse povo; sem prejudicar as moças.

Um comentário:

Viana Visão Viana disse...

Meu respeitoso Cacique.
Tenho 63 anos de muito trabalho, e pouca valorização. Mas vivo muito, porque aprendi a valorizar a vida.
O Brasil é e sempre será um grande bordel.
A grande putaria começou na colonização, ninguém muda um arvore torta moralmente.
Hoje somos o país do descredito moral, ou seja a maior parte dos turista quando planeja as viagens ao Brasil: Diz claramente vamos a putaria.
Meus respeitos.
Existe os 21% que tem índole sadia, mas isto em numero populacional é uma gota no oceano.
Abraço Fraternal.