Read In Your Own Language

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Cordelando 29: O Que Faltava da Viagem

Em função do fuso horário, as notícias da Turquia só brotaram hoje na imprensa. Assim, necessitei fazer esse apêndice do Cordelando 28, para não perder o registro de tamanho fato histórico. Adelante...





Adispois de visitar,

Sepultura do irmão.

Dona deelma avuô,

Na Turquia outra missão.

Resgatar a bobageira,

Que foi dita no passado

Pelo EX dos 9 dedos.

Pelos turcos encantado.


Na prepotência de sempre,

Chegou batendo as tamancas.

Dizem que os dois países,

Devem liderar a banda.

Resgatando a moral,

Do tempo dos Otomanos,

E no tempo atual,

Salvando todos humanos.


Começou lá no Irã,

Um negucêio até Cômico.

Quando Ahmadinejah,

Virou o doido atômico.

O Brasil e a Turquia,

Diferente do que resta.

Afiançaram o barbudo,
Dizendo que ele presta.


E agora dessa vez,

Bem no meio da tormenta.

Criticou foi a Orópa,

Sendo meio virulenta.

Chamou os bancos centrais,

De expansivos e mandões.

Que deixam os outros prá trás,

Desabando aos borbotões.


Disse que o continente,

Prá salvar o seu trocado.

Injetam muito dinheiro,

Pro povo que tá do seu lado.

Deixando os outros países,

Andando na contra mão.

Cada qual com seu dinheiro,

Despencando pelo chão.


Mais uma vez bordejou,

Que a salvação do mundo.

É fazer a parceria,

com o governo mais profundo.

Agora que tá com ela,

E que vai ficar prá sempre.

Mandando nesse país,

e governando essa gente.


Depois desse lero-lero,

Acabando a missão.

Tirou uns dias de folga,

Ninguém é de ferro não.

Ficou prá passar weekend,

E a Turquia visitar.

E o tal do Estreito de Bósforo,

Por certo não ia faltar.


Um canal prá lá de grande,

Terra no meio rachando,

Lugar prá fazer comércio,

Monte de barco passando.

Onde bem que se podia,

Terminar a aventura,

Bem no meio do oceano,

Uma grande sepultura.

Um comentário:

Velvet Poison disse...

Deu vontade de pegar as tamancas e dar tamancadas de cum força na Dona Deelma...

Seus cordéis são um bálsamo para minhas vistas, meu espírito, minha alma, meu humor feridos e meu cérebro esgotado.