Read In Your Own Language

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Cordelando 116:Padrão FIFA em Todo Canto


Ô semana arretada,
Pra quem gosta de cordel.
Teve grandes novidades,
No atacado e a granel.
Boinha de fazer rima,
Pra gente se divertir.
Já que nos fazem chorar,
Ao menor eu faço rir.

Lá pros lados do congresso,
Coisa boa não rolou.
Teve lá a votação,
Que nos pobres empurrou.
Carcaram nas viuvinhas,
Lascaram aposentados.
Phoderam pensionista,
Arrombaram aposentado.

Os mesmos PRAlamentares,
Que dão aumento pra si.
No pobre bolso dos outros,
Não deixaram de bulir.
Aumentaram os impostos,
Taxa e contribuição.
Sabendo que no final,
Só quem paga é o povão.

Mas por lá também votaram,
A tal reforma eleitoral.
Uma grande panaceia,
Quase mesmo um carnaval.
Propuseram coisa e lousa,
De fazer e acontecer.
Mas ficou a mesma bosta,
Dos mesmo que vão vencer.

Chegou por lá por Brasília,
Uma grande caminhada.
De uns caras corajosos,
Que não temem a porrada.
Por só ser uma centena,
O quanto não vale não.
O importante é o desejo,
De mudar essa nação.

No país do futebol,
Uma notícia alvissareira.
Prenderam o bandidão,
E mexeram na abelheira.
Uzianques sabedores,
Que lá tinha putaria,
Armaram uma arapuca,
E acabaram a mordomia.

Por enquanto só lá fora,
Que enxergaram o ladrão.
Mas não tarda e aqui chega,
E vão pegar o chefão.
Nós que sabemos das coisas,
Da terra nacional.
Só precisamos saber,
Quem ficou com o capital.

As defesas de nossa terra,
Deixam muito a desejar.
Na fronteira passa tudo,
Vindo de todo lugar.
Passa droga, gente e arma,
E se espalha na nação.
E nossas Forças Armadas,
Recursos não ganham não.

Quando a coisa é ao contrário.
Saindo daqui pra lá.
Nêgo enxerga o traficante,
e já manda derrubar.
O povo se abufela,
Faz pose de ter horror.
Só porque Venezuela,
Um avião derrubou.

Sabe uma coisa gozada,
Que li num grande jornal?
A Petrobras tem concurso,
Em nível nacional.
Um monte de adEvogado,
De 150 pra lá.
Pra equipar a empresa,
Que não tem mais o que roubar.

Pra encerrar o meu versejo,
Não esqueço coisa alguma.
Da ida da governanta,
Na terra de Montezuma.
Dizendo que lá faria,
Um monte de bom negócio.
Aumentando as divisas,
E fechando bom consórcio.

Na verdade verdadeira,
Se sabe o que sucedeu.
Foi do monte de prefeito,
Que pra Brasília correu.
Evitando levar vaia,
E quem sabe panelaço.
Se mandou lá para o México,
Num grande de um cagaço.

É tanta coisa legal,
Que nem consigo parar.
Mas precisa ter um fim,
Pro leitor eu não cansar.
Com a certeza na mente,
Que de tudo que ocorreu.
Ao fim dessa presepada,
O povo é que se phodel.

Um comentário: