Read In Your Own Language

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Cordelando 73: Mensalão Ou Mensaloon - A Escolha de Sofia

Tanta coisa acontecendo,
Em toda nossa nação.
Mas o cordel vai falar,
Somente do mensalão.
Um escândalo da  poha,
Como não se viu igual.
Nunca antes aconteceu,
Desde o tempo de Cabral.
Um punhado de safado,
Se ajuntou prá governar.
Como não tinham um grupo,
Pensaram logo em comprar.
Se dividissem o poder,
Ficavam sempre mandando.
Sem sair escurraçado,
Como se deu com Fernando.

Tinham uma grande bandeira,
9 dedos carregou.
Operário no poder,
É melhor do que dotô.
Com minha turma mandando,
Muita coisa vai mudar.
E a tal da burguesia,
Dessa vez vai se lascar.
Quando viu que a coisa é feia,
Logo, logo se assustou.
Chamou fiel escudeiro,
E armou o bololô.
Vamos trazer todo mundo,
Prá ficar de nosso lado,
Seja por bem ou por mal,
Seja certo ou seja errado.
Mandou prá lá pro congresso,
Um monte de embaixador.
Prá comprar as conciências,
De quem nunca que prestou.
Ofereceu grana e cargo,
O poder não dividiu.
Só ficou de fora dessa,
Quem gostava do Brasil.
Armou um esquema danado,
Usando publicidade.
Marco Valério faria,
Com grana essa verdade.
Usando o banco Rural,
Prá fazer a enganação.
Desviando muita baba,
De norte a sul da nação.
Tudo isso só surgiu,
Depois que o vídeo vazou.
Quando Maurício Marinho
Seus 3 contos embolsou.
Em nome do PTB,
Falou do grande esquemão.
Que se havia montado,
Prá estorquir a nação.
Zé Dirceu bem que sabia,
De tudo que se passou.
Pois mandava bagarai,
9 dedos que falou.
Era primeiro ministro,
Confiança prá danar.
9 dedos só bebia,
Ele é que ia mandar.
Joao Paulo de presidente,
Mandou a mulher buscar.
Prá mais de 50 contos,
Prá sua TV pagar.
Como ele outros fizeram,
Muita grana então rolou.
Mas o processo correu,
Na mão do procurador.
Teve mais banco envolvido,
Nessa grande confusão,
Teve o tal do Opportunity,
Do Dantas, grande ladrão.
Botaram também o BB,
Que muita verba alocou.
Na propaganda do VISA,
O cartão que aloprou.
Telefone que só era,
Prá falar com namorada.
Botou caixa no negócio,
Uma fortuna danada.
Foi a Brasil Telecom,
Que começou a lambança.
Botou na mão do Valério,
A música da contradança.
A PF vasculhou,
Conta de banco e imposto.
O chucho que se achou,
Teve lá prá todo gosto.
E não foi só federal,
O golpe que se instalou.
Na pacata Santo André,
Até prefeito apagou.
Denúncia foi toda hora,
Toda imprensa mostrou.
Quase faltava papel,
Prá contar o estupor.
Saiu até no estrangeiro,
Que procurou tradução.
Virou big monthly allowance,
A vergonha da nação.
9 dedos que negou,
Que soubesse do esquema.
No ixtrangeiro pensou,
A solução pro problema.
Disse que foi caixa 2,
Prá problema de campanha.
Coisa normal no Brasil,
E forçou com essa mãnha.

Passados lá 5 anos,
O processo até correu.
Por mais que tumultuassem,
Barbozão comprometeu.
A levar até o fim,
O caso  mais cabeludo,
Que surgiu nesse país,
Desde o tempo do entrudo.
A sessão foi dia 2,
Quando o caso se abriu.
Acabando o segredo,
Que na justiça seguiu.
Mas na hora do começo,
Tomás até que tentou.
Jogar lama no desfecho,
Merda no ventilador.
Barbozão ficou foi puto,
Peitou ele e mais quem veio.
Não separo o processo,
Nem que tenha tiroteio.
Lewando Não Sei o Que,
Revisor comprometido,
Bateu boca com o negão.
Houve um grande alarido.

Presidente Ayres Brito,
Precisou lá intervir.
Pois um grande bate-boca,
Já começava a surgir.
Um falou deslealdade,
Outro tumulto falou.
  Anunciando a disputa,
Que agora que se instalou.

Muita água vai rolar,
Bem por baixo dessa ponte.
Outras brigas vão surgir,
Mais na frente do horizonte.
Fato é que se espera,
De norte a sul do Brasil,
Que esse mote de safado,
Vá prá potaquepareo.

2 comentários:

marciagrega disse...

Esse seu cordel é uma verdadeira aula de política contemporânea brasileira!!!
Deverias publicar em um livro..Pra ficar como herança de tempos nebulosos da política brasileira...

MarKramer disse...

Amigo Cacique, genial!