Read In Your Own Language

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Eu Minto e Tu Desmentes....


Cena 1: Auditório lotado com funcionários e jornalistas convidados e intimados para assistir a tchurma autorizada a falar da economia pela governANTA (já que ela proibiu por exemplo, Ideli Berreiro e a Barbie do Paraguai sobre o tema) sobre o Balanço do PAC 2.

Primeiro que a Josta do PAC 1 nem saiu do papel e já estão acompanhando a "fase 2"?

Mas o MUST foi o desenrolar dos acontecimentos.

Miroca Belchior distribui aos presentes um calhamaço de 180 páginas (segundo a Folha de São Paulo) e mandou ver no show de Power Point cheio de gráficos e vídeos multicoloridos e tabelas repletas de números favoráveis aos resultados que se pretendia demonstrar.
Pretendia a planejadora-chefA demonstrar que o PAC 2 "tem sido determinante para a continuidade do crescimento sustentável da economia brasileira", já que seria a continuidade do Brasil de cartório do 9 dedos.
"Em 2011, o PAC 2 também alcançou volume de pagamento do Orçamento Geral da União 22% superior em comparação com o mesmo período de 2010, ano de melhor desempenho do programa", afirmava o material.
Mas eis que não ensaiaram direito. Ao lado direito da poderosa ministra, estava Nelson Barbosa, número dois na hierarquia do Ministério da Fazenda, e contou uma história bem diferente da estória de Miroca.

Respirou fundo e largou que "houve vários ajustes e reprogramações nos programas do governo, no PAC, no Minha Casa, Minha Vida, e essas reprogramações proporcionaram investimento relativamente estável em relação a 2010. Portanto, os investimentos do PAC não contribuíram para a aceleração do crescimento econômico neste ano".
O que se publica fora os shows de Miroca, os investimentos do PAC com recursos do Orçamento caíram 14% nos primeiros dez meses do ano, na comparação com o mesmo período de 2010.
Foi a primeira queda contabilizada pelo programa, lançado em 2007 para reunir as obras prioritárias do governo e um dos pilares da candidatura de Dilma ao Planalto.
Embora dona deelma tenha dito que o ajuste fiscal promovido no início do ano para conter a inflação, que sacrificou basicamente os investimentos federais, não iria afetar o PAC, é claro que torpedeou na linha d'água, sem falar na nova alta dos juros e restrições ao crédito, e da consequente desaceleração da economia.

Barbosão achou pouco e ainda previu crescimento perto de zero no terceiro trimestre, enquanto o Banco Central indica uma queda de 0,32%.
O fato é que o crescimento previsto pela corja entre 4% e 5% em 2012, não vai chegar a 3,0%.
Analizadas as informações de Miroca, vê-se que entre os desembolsos com recursos orçamentários, estão gastos do programa Minha Casa, Minha Vida, que não são investimentos e antes eram contabilizados à parte, além de financiamentos de terceiros para a aquisição de imóveis usados, sem impacto na economia.

Não seria o caso de alguém protocolar isso em cartório também? Poderia ser útil no futuro, né oposição?

2 comentários:

Blog do Beto disse...

OLÁ CACIQUE.

ISSO ACONTECE COM MINHA CASA MINHA VIDA QUE ERA PREVISTO 1 MILHÃO CONSTRUÍRAM CEM MIL E IMEDIATAMENTE ANUNCIARAM QUE IRIAM CONSTRUIR MAIS 2 MILHÕES.

ELES MENTEM E O POVO DE MERDA ACREDITA.

ABS DO BETO.

bebethsal disse...

Governo de enganação que busca no clientelismo a sua permanência no poder.Aí temos ministros de cultura tosca, mal sabem interpretar o conteúdo da matéria a ser explanada.Não entendem as explicações que os assessores lhes passam assim demonstrando sua incompetência.Assim, se perdem diante de gráficos e explicações confusas, mas os pobres beneficiados não entendem e votam pela continuidade! Pobre de nós!