Read In Your Own Language

sábado, 11 de julho de 2015

Cordelando 122: Ewoc Rumo Ao Gulag


Nossa Ewok foi na Rússia,
Reunir com o tal de BRICS.
Fundar lá um banco FANTA,
Que vai criar tric-trics.
Monte de nação falida,
Mendiga, mas prepotente.
Metida a mandar no mundo,
Comunista que só mente.

Antes de continuar,
Interrompo meu versejo,
Pra quem não conhece EWOK,
Vou esclarecer o termo.
EWOK é aquele bichinho,
Bonzinho mas feio danado.
Que ajudava o Skywalker,
A ganhar dos cara errado.



Pois lá se foi a dentuça,
Encontrar-se com Putin.
Visitou uns monumentos,
Feito só pra agente ruim.
No caminho se encontrou,
Com o ministro Lewandowisc,
Não sei o que se falou,
Prepare pro mandiocowisck.

Ta na boca da botija,
Cair na mão do doutor.
Processo do TRE,
Que infração detetou.
Na eleição da dentuça,
Que petrolão irrigou.
Um crime eleitoral,
Que comprou muito eleitor.

Sem falar no outro rolo,
Noutra corte federal.
Onde corre a apuração,
Da pedalada geral.
Por mais que se manobrasse,
As contas da governANTA.
Tem rombo pra todo lado,
De se empurrar na garganta.

Por aqui não se reduz,
Roubo, chuncho e confusão.
Quanto mais mexe na merda,
Mais levanta o fedorão.
Descobriu-se que o PT,
Ganhou mais que arrecadou.
Com o dinheiro roubado,
Muita campanha irrigou.

Dai bateu desespero,
Em toda horda vermelha.
Pois falar deles no todo,
É igual queimar centelha.
Começo o lare-lare,
De comparar com nazismo.
Se sentindo acuados,
Percebendo o perigo.

Assim falou o Delcídio,
Presidente e porta-voz.
Senador e deputado,
Reclamando do algoz.
Chegando até o limite,
Em seu clamar de socorro,
De botar até a culpa,
No doutor Sérgio Moro.

Lá pro sul surgiu a cota,
Incrível até de se ver.
Na escola federal,
Pra servir eu e você.
Pra ser dotô adEvogado,
Criaram a regalia.
Cota tem para o Sem terra,
Uma grande putaria.

Dia bem apropriado,
Pra fazer o meu cordel.
Dia da pizza se marca,
 Que no Brasil vira véu.
Com o termo se esconde,
Tudo que é pilantragem.
Já sabendo que no fim,
Tudo acaba em sacanagem.

Num Brasil muito carente,
De cuidado na saúde.
Que trouxe gente de Cuba,
Pra demonstrar juventude.
Agora abriu muita vaga,
Pra escola de medicina,
Tudo em escola privada,
Vai o PROUNI pra cima.

No e-mail da Camargo,
Detalhou-se a mordomia.
Das viagens do pinguço,
Pra tratar de putaria.
Onde ia avuando,
Ia junto um batalhão,
No alicóptro da empresa,
Seguiam lá os babão.

Um braço já esperado,
Na sequência da história.
Chegou na Eletrobras,
Roubalheira que é glória.
Diz que Walter Cardeal,
Peixe da que ronca e fuça.
Pediu uma grana preta,
Pra campanha da dentuça.

A coisa tá apertando,
Lá pro lado do Planalto.
A coisa diz que não cai,
Mesmo já não estando alto.
A base que era alugada,
Lealdade lhe negou.
Apertarão o botão,
E vai ser um chororô.

O povo já não aguenta,
Pagar a conta calado.
Vendo tanta roubalheira,
Desse bando de safado.
O correto então seria,
Tirar tudo que é ladrão.
Passar a régua geral,
E chamar nova eleição.

Um comentário:

Virgínia Leite disse...

CORDEL PERFEITÍSSIMO ! MERECE UM PRÊMIO !