Read In Your Own Language

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Raios: Belos, Mas Muito Perigosos

Baseado em matéria da BBC, publicada no Estado de São Paulo
Como engenheiro eletricista, admiro demais o fenômeno das descargas atmosféricas. É um espetáculo belíssimo embora assustador. Aqui em plagas manauaras os raios são imensos (acima de 10 mil amperes) e os níveis ceráunicos (dias de trovoada por ano) são dos maiores do mundo. Embora plásticamente bonitos, a chance de acidentes com raios é altíssima e ainda maior na Região Norte do Brasil. Em 2011, 25% das mortes por raios aconteceram nos estados da região, segundo um estudo inédito do Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Em números absolutos, das 81 pessoas que morreram ao serem atingidas por raios em 2011, 20 estavam aqui no Norte.
Mas existem certas precauções que podem ser tomadas para reduzir estes acidentes, tanto que o ELAT elaborou uma cartilha do que fazer - e o que não fazer - em caso de tempestades com raios.
E isso não pode ser "copiado" de outros países pois cada caso é um caso. Deve-se analisar as principais situações em que há fatalidades e elaborar as recomendações de acordo com a realidade brasileira.
No Brasil, a circunstância que mais mata por raios é praticar atividades agropecuárias ao ar livre, como cuidar de animais em descampados e trabalhar em plantações com enxadas, pás, facões e instrumentos semelhantes. A segunda causa que mais provoca mortes é ficar próximo a veículos como carros ou andar de moto ou bicicleta.
Também há os casos de mortes em áreas abertas, especialmente em praias, campos de futebol ou próximo a árvores e cercas. Ficar perto de objetos que conduzem eletricidade, como telefone com fio ou celular conectado ao carregador, também está entre as principais causas desse tipo de morte.
O melhor abrigo para evitar os raios é permanecer em um carro, com portas e janelas fechadas, sem encostar na lataria até o fim da tempestade. No Brasil, não há registro de mortes dentro de veículos fechados.
Mas e quando se está em uma área descampada, longe um carro? Uma das alternativas é se refugiar em prédios ou outras construções propriamente ditas.
No entanto, essa pode não ser uma opção viável e o recomendável é ter um sistema de alerta de raios, especialmente em parques e até em grandes fazendas. É possível se ter um equipamento no próprio local ou, uma opção mais sofisticada, receber o alerta de instituições meteorológicas.
Assisti esses dias num destes canais alternativos um excelente documentário sobre o desenvolvimento de um sistema que, embora sofisticado tecnicamente, é de extrema simplicidade construtiva e operacional; e pode contribuir sobremaneira na prevenção de acidentes.
Ah...Embora esteja se desenvolvendo no interior de São Paulo, será implantado principalmente no nortão deste país. Acompanhemos.

Um comentário:

marciagrega disse...

Morro de medo de raios!!! Fico trêmula só em pensar...

Beijão